Margem dos frigoríficos ainda menores

Agronegócio

Margem dos frigoríficos ainda menores

As margens de comercialização não param de cair
Por:
529 acessos

Os cortes de traseiro estão sendo vendidos, em média, pelos mesmos preços praticados há um ano. Mesmo com inflação em alta, custos operacionais subindo, matéria-prima mais cara, os frigoríficos não conseguem aumentar sua receita. 

Os cortes de dianteiro, “mais barato”, portanto mais acessíveis à população, embora tenham descrito movimento de alta, subindo 7,7% em doze meses, ainda assim fica abaixo do IPCA do período que é de 9,7%.

Agora, de 26 semanas de acompanhamento pela Scot Consultoria, são somente seis com valorização. As margens de comercialização não param de cair.

Unidades que fazem desossa alcançaram o nível mais crítico de 2016, 10,5%, mesmo patamar mínimo de 2015. As que operam vendendo a carcaça apuram receita somente 0,8% maior que o preço pago pela arroba.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink