Mato Grosso mantém 66% do cerrado conservado
CI
Agronegócio

Mato Grosso mantém 66% do cerrado conservado

O Mapeamento verificou a situação dos 207 milhões de hectares desse bioma
Por:

O levantamento da Embrapa Cerrados, segundo o qual 61% desse bioma conserva sua vegetação original detalhou as áreas remanescentes em nível estadual. O pior resultado foi o de São Paulo. O Estado, que tinha 33% (um terço) de seu território coberto pela vegetação típica da savana, preservou apenas 15% da área original, segundo o estudo. Já o melhor resultado foi o do Piauí: permanece 92% da vegetação, que compunha 37% da área do estado.

O Mapeamento de Remanescentes de Cobertura Vegetal Natural do Cerrado verificou a situação dos 207 milhões de hectares desse bioma (o limite reconhecido oficialmente) com base em imagens de satélite de 2002. Ficaram de fora da pesquisa Amapá, Roraima e Pará, estados amazônicos que também têm áreas de savana.

O percentual de remanescentes nos outros Estados pesquisados é o seguinte: 31% no Paraná, 32% no Mato Grosso do Sul, 46% em Goiás, 53% em Minas Gerais, 66% em Mato Grosso, 73% na Bahia, 82% em Tocantins e 89% no Maranhão. O Distrito Federal, originalmente a única unidade da federação integralmente coberta pelo bioma, detém hoje 51% de vegetação nativa. Em todos os casos, são locais em diferentes graus de preservação. As porcentagens computam, por exemplo, pastagens com capins nativos.

De acordo com o coordenador da pesquisa da Embrapa, Edson Sano, ainda que o mapeamento do bioma por meio das imagens do satélite Landsat não tivesse o objetivo de definir o nível de degradação resultante da ação humana na região, isso também é possível. “Em uma etapa posterior, a partir dos resultados já obtidos, é possível selecionar áreas e obter esses resultados”, comentou, em entrevista à Agência Brasil.

Outro levantamento feito pela pesquisa foi a área remanescente nas diversas bacias hidrográficas. A do Paraná mantém 33% de vegetação original. A do São Francisco; 65%, Amazonas, 68%; Tocantins, 70%; Atlântico Leste, 79%; e Atlântico Nordeste, 91%.

Segundo Edson Sano, entre as várias aplicações do mapa criado a partir do levantamento está a avaliação da pressão exercida por núcleos habitacionais próximos a áreas de proteção permanente. “Não foi alvo da pesquisa, mas a análise pode ser feita facilmente. Basta estabelecer um raio em torno dessas áreas para saber o impacto da presença humana ao redor”. Ele cita ainda a possibilidade de quantificar as áreas reflorestadas e de pastagens cultivadas, o que permitiria, por exemplo, a criação de um modelo de uso racional da água.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink