Menina morre por gripe suína no Paraná mesmo após tomar vacina
CI
Agronegócio

Menina morre por gripe suína no Paraná mesmo após tomar vacina

Menina morre por gripe suína no Paraná mesmo após tomar vacina
Por:
Paciente tinha asma, o que complica o quadro da doença

Uma garota de dez anos morreu por causa da gripe A (H1N1), popularmente conhecida como suína, em Foz do Iguaçu, no Paraná, mesmo depois de ter tomado a vacina contra a doença. A menina tinha asma (doença crônica que aumenta o risco de morte pela doença) e morreu no último domingo (18).

Flavia Trench, médica infectologista do Hospital Ministro Costa Cavalcanti, onde a menina ficou internada por 14 dias, diz que a paciente passou por uma "sucessão de azares", em um caso classificado como exceção. Flavia diz que o corpo da menina não reagiu à vacina, criando anticorpos (moléculas responsáveis por combater infecções) suficientes contra a doença.

– Quando você faz uma vacina, você dá um produto para que a pessoa desenvolva uma defesa contra aquela doença. Mas você precisa da atuação do organismo daquela pessoa. Não existe uma vacina que dê proteção em 100% dos casos. Nós temos vacinas que têm uns 90% chances de funcionar, mas que apresentam uma margem de falha. E não é uma falha do produto, é do próprio paciente: mesmo fazendo tudo direitinho, ainda pode acontecer de o organismo daquela pessoa não responder.

A médica diz que o quadro da menina, a primeira vítima da gripe suína neste ano na cidade, foi agravado por uma grave crise de asma, o que dificultou o tratamento. Ela foi levada ao hospital um dia após começar a sentir os sintomas e começou a tomar o remédio Tamiflu, indicado para a doença, 48 horas depois.

O superintendente de Vigilância em Saúde do órgão estadual, José Lucio dos Santos, ressalta a importância da vacina, que, segundo ele, é eficaz em 95% dos casos.

– A produção de anticorpos é diferente em cada pessoa, mas em 95% dos casos ocorre até 21 dias após a imunização.

Procurada pelo R7, a Secretaria de Saúde do Paraná disse que não comenta casos isolados da doença. O Estado foi o que mais vacinou contra o vírus. Aproximadamente 6 milhões de pessoas foram imunizadas. O superintendente alerta que, mesmo com 60% da população vacinada, o vírus continua circulando e os cuidados devem ser mantidos.

Ele recomenda que se evite contato com pessoas doentes. Se surgirem sintomas como febre alta, tosse, dores de garganta e musculares, é importante procurar um médico ou posto de saúde e evitar tomar remédios por conta própria.

Boletim epidemiológico divulgado pelo Estado nesta segunda-feira (19) confirma 1.655 casos da doença neste ano. Foram registradas 15 mortes devido a complicações.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.