Mercado aposta na soja convencional
CI
Agronegócio

Mercado aposta na soja convencional

Associação promove a certificação das sementes, que são livres de transgenia
Por:
Associação promove a certificação das sementes, que são livres de transgenia

Chegando ao 3º ano de implantação em Mato Grosso, o programa Soja Livre pretende colocar no mercado a semente de soja não transgênica a partir de junho. Para discutir o assunto foi realizado o seminário de Certificação de Sementes Livres de Transgênicos, nesta segunda-feira (06), em Cuiabá. Evento foi promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Grãos Não Geneticamente Modificados (Abrange). Certificação que deve garantir maior segurança jurídica e vai ofertar aos agricultores sementes de soja com alta qualidade e 99,9% livre de contaminação foi anunciada no início do ano. Durante o seminário foram tratados diversos assuntos relacionados ao mercado, entre eles custos, vantagens, uso do Selo Abrange, nova fase do programa, qualidade ao produtor e também ao consumidor. No Brasil 20% da soja produzida é livre de transgenia. Mato Grosso é o maior produtor do país, e 25% da área plantada é de grão não transgênico, o que também acontece em Rondônia. Desse total 35% vêm da região do Parecis e 60% de Querência.


Segundo Ivan Paghi, diretor técnico da Abrange e coordenador do programa Soja Livre, o produto garante mais benefícios ao produtor e também ao consumidor. “Para o agricultor cultivar a soja não transgênica é mais rentável porque ela pode ser comercializada com valor até 15% maior em relação à soja transgênica. A demanda ainda é influenciada por questões culturais e religiosas porque há países que não consomem produtos geneticamente modificados”.

O mercado internacional está aquecido em relação aos alimentos não transgênicos. A última novidade foi o interesse da China em adquirir do Brasil mais de 12 milhões de toneladas do produto. Isso deve mudar o mercado já que agora a Abrange vai organizar o setor com a certificação. Para isso a CERT-ID certificadora é a empresa que irá certificar todas as sementes que serão vendidas. De acordo com o presidente da empresa, Augusto Freire serão aceitas somente as sementes que apresentarem no máximo 0,1% de transgenia. “Vamos incluir ao programa os grãos que estão chegando ao mercado também. Queremos garantir um produto de qualidade ao produtor e assegurá-lo que está levando algo livre”. As sementeiras devem se cadastrar no programa e garantir a análise para a certificação.

Roque Ferretti comercializa sementes e garante que a cada ano está aumentando a demanda pelo grão convencional. “O mercado está demandando um produto com maior qualidade e por isso vamos ofertar um produto certificado”. Ele acredita que de início não será possível suprir a demanda de todos os compradores. “Estamos regularizando os grãos e como tudo que é normalizado primeiramente nem todos os produtores irão se encaixar nas normas. Isso acontece porque o maquinário muitas vezes é utilizado para os 2 tipos de semente e acaba comprometendo”.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.