Mesmo com preços altos, quebra no milho em Mato Grosso derruba valor da produção em R$ 1 bi

Agronegócio

Mesmo com preços altos, quebra no milho em Mato Grosso derruba valor da produção em R$ 1 bi

Os preços da saca de 60 quilos de milho na casa dos R$ 35 no primeiro semestre de 2016 não serão suficientes para segurar a renda do produtor
Por:
885 acessos

Os preços da saca de 60 quilos de milho na casa dos R$ 35 no primeiro semestre de 2016 não serão suficientes para segurar a renda do produtor da porteira para dentro em Mato Grosso. A quebra de 7,295 milhões de toneladas, causada pela seca na safra 2015/2016, deverá provocar um saldo negativo de R$ 1 bilhão no Valor Bruto da Produção (VBP). Em contrapartida, na soja, mesmo com a redução na produção de um milhão de toneladas aproximadamente, a previsão é de um incremento de R$ 2,152 bilhões, tendo-se em vista os preços remunerativos que chegaram ao pico médio de R$ 83,20 no mês de junho.

As informações são da Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os números são com base em dados de setembro e a estimativa é que o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) em 2016 chegue a R$ 71,722 bilhões em Mato Grosso.

A previsão para Mato Grosso, somando a renda da porteira para dentro das lavouras e da pecuária, supera os R$ 70,684 bilhões previstos em setembro de 2015 para aquele ano. Entretanto, segundo a SPA, o valor estimado é inferior aos R$ 72,945 bilhões previstos em agosto.

Conforme a previsão da Secretaria ligada ao Mapa, o Valor Bruto da Produção nas lavouras deverá ficar na casa dos R$ 56,632 bilhões, enquanto na pecuária R$ 15,089 bilhões. Ao se comparar com as previsões para 2015, apontadas em setembro, há incremento na agricultura ante os R$ 54,757 bilhões da época e decréscimo em relação aos R$ 15,927 bilhões da pecuária.

O Valor Bruto da Produção na cultura da soja deverá ficar em R$ 32,160 bilhões, acima dos R$ 30,008 bilhões do ano anterior estimados na época. Já o milho possui uma previsão de R$ 9,948 bilhões, abaixo dos R$ 10,957 bilhões de 2015. Já no algodão são previstos ganhos da porteira para dentro de R$ 11,702 bilhões.

Na bovinocultura a previsão é de ganhos de R$ 10,774 bilhões, contra R$ 11,429 bilhões previstos para 2015 em setembro. Já na suinocultura há projeção de R$ 736,2 milhões contra os R$ 817,2 milhões do ano passado. No setor de aves de R$ 2,285 bilhões para R$ 2,256 bilhões.

No Brasil a previsão é que o valor Bruto da Produção chegue a R$ 518,1 bilhões, o terceiro melhor resultado da série histórica iniciada em 1989, mesmo com uma diminuição de 2,6% em relação ao ano passado.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink