Método detecta substância gerada por fungos em óleo vegetal
CI
MICOTOXINAS

Método detecta substância gerada por fungos em óleo vegetal

De acordo com especialistas, as micotoxinas podem ter vários efeitos negativos da saúde
Por: -Leonardo Gottems

Pesquisadores da Universidade de Almería, na Espanha, validaram um procedimento rápido, simples e de baixo custo para análises de rotina em segurança alimentar, que consegue detectar substâncias produzidas por fungos em óleos vegetais. A tecnologia utilizada pode ser aplicada diretamente nas indústrias de produção para garantir a segurança alimentar. 

As micotoxinas são substâncias naturais produzidas por algumas espécies de fungos e podem ser encontradas em culturas e alimentos como cereais, nozes, especiarias e café, geralmente em ambientes quentes e úmidos. Até agora, as organizações sanitárias estabeleceram os limites máximos permitidos para consumo em cereais e sementes, mas não há restrições para o produto manufaturado. Este estudo, o primeiro que inclui a análise de azeite, permitirá que estes organismos tenham dados para determinar os valores ótimos para garantir a segurança alimentar dos óleos. 

De acordo com especialistas, as micotoxinas podem ter vários efeitos negativos da saúde, de intoxicação leve a deficiência imunológica crônica, de modo que os limites máximos estabelecidos para fora em produtos de consumo são muito baixos, pois podem representar um perigo para a saúde humana e do gado. Em um publicado na revista Food Chemistry,  cientistas validaram o método com o qual eles conseguiram para determinar o teor de micotoxina mais comum em cerca de duas centenas de amostras de diferentes tipos de óleos vegetais comestíveis. 

A razão pela qual a FAO excluiu do regulamento o estabelecimento de níveis de micotoxinas para oleaginosas e seus produtos derivados, é porque no processo de produção de óleos vegetais refinados são quase completamente eliminados. No entanto, a equipe de cientistas confirmou que 40% do total de amostras analisadas estão presentes, chegando a atingir 82% das aflatoxinas do tipo G2 no óleo de bagaço cru ou 72% das zearalenonas no caso do óleo de azeitona refinada. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.