Metodologia evita desperdício na colheita de soja
CI
Agronegócio

Metodologia evita desperdício na colheita de soja

No Brasil estimativas de perdas variam de duas ou mais sacas por hectare, em média
Por:

Um copo medidor e uma armação de dois metros quadrados podem evitar prejuízos para os produtores de soja. A tecnologia é capaz de estimar a quantidade de grãos que a colheitadeira não recolhe, cai no solo e acaba sendo desperdiçada. De acordo com padrões internacionais, a tolerância de perdas é de até uma saca (60kg) por hectare, acima disso é considerado desperdício. No entanto, no Brasil há estimativas de perdas de duas ou mais sacas por hectare, em média, o que poderia ser facilmente evitado adotando-se práticas de aferição na colheita. 

Desenvolvida pela Embrapa Soja (PR) durante a década de 1980, a metodologia foi adaptada às máquinas e às técnicas de cultivo atuais e é capaz de reduzir perdas e assim aumentar a eficiência da colheita. O pesquisador da Embrapa José Miguel Silveira informa que o sistema de medição pode ser confeccionado com ripas de madeira ou canos de PVC e barbante. "Após a passagem da colhedora, a armação deve ser colocada transversalmente às linhas de semeadura", explica Silveira. "Os grãos que estão soltos sobre o solo e dentro das vagens na área de armação são depositados no copo medidor e o nível de perdas é determinado diretamente numa escala graduada, em sacos por hectare", diz.
 
Kit contra o desperdício

O kit básico de monitoramento de perdas na colheita de soja (copo e armação) é acompanhado de um manual orientador. O documento destaca os índices e os valores relacionados a cada um dos sistemas que compõem a colheitadeira - corte e alimentação, trilha, separação, limpeza, transporte, armazenamento e descarga, finalizando com as recomendações técnicas sobre os problemas, as causas e as possíveis soluções observadas na operação de colheita da soja. 
 
"Em geral, maior cuidado deve ser dado ao sistema de corte e alimentação, composto de barra de corte, molinete, condutor helicoidal (caracol) e esteira alimentadora", recomenda o pesquisador. "Ajustes como a posição e a rotação do molinete devem ser observados, mesmo havendo hoje o auto-ajuste que sincroniza a rotação do molinete com a velocidade de avanço do equipamento colhedor", frisa.
 
De acordo com Silveira, no processo de colheita, a velocidade de deslocamento da colheitadeira influencia diretamente nas perdas. A Embrapa recomenda um intervalo de velocidade entre 4 e 6,5 km por hora para que o sistema de corte da plataforma de alimentação trabalhe com máxima eficiência e contribua para minimizar as perdas de grãos.
 
Capacitação do operador

Silveira explica que outro fator importante de controle de perdas na colheita de soja é a capacitação do operador da colheitadeira. "O profissional deve conhecer a planta que está sendo colhida e saber que ela apresenta um processo natural de deiscência (abertura) das vagens. Além disso, o corte e a condução da planta para o sistema de trilha devem ser feitos com conhecimento e técnica", afirma. Para ele, essas medidas evitam impactos desnecessários na planta de soja e no grão, que se parte facilmente, prejudicando a qualidade da safra.
 
As perdas brasileiras

De acordo com os levantamentos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção brasileira de soja deve saltar de 96,2 para 102,1 milhões de toneladas, na safra 2015/2016. Apesar de não haver uma estimativa sobre as perdas durante a colheita de soja no Brasil, há relatos de lavouras de soja que perdem, em média, duas sacas por hectare, enquanto que o índice tolerável de perdas é de até uma saca (60 quilos) por hectare.
 
No Estado do Paraná, há produtores que desperdiçam pouco, como o agricultor Geovane Pelisson, de Ibiporã, (PR) que perdeu apenas 0,2 saca (12kg) por hectare, na safra 2014/2015. Pelisson foi o vencedor do Concurso de Perdas na Colheita de Ibiporã, no norte do Paraná, promovido pelo Instituto Emater. O instituto realiza concursos e faz diagnósticos de perdas na colheita de soja em municípios paranaenses. Na safra 2014/2015, 434 operadores de colhedoras foram avaliados em campanhas estaduais para reduzir as perdas na colheita de soja. 
 
Quando o produtor perde mais que uma saca por hectare está ocorrendo desperdício. Entre as medidas corretivas que devem ser adotadas, a Embrapa recomenda regulagens na máquina e mudanças de comportamento do operador da colhedora. "A aferição das perdas na colheita de soja é fundamental, porque quem não sabe quanto perde não sabe quanto ganha", diz Silveira.
 
Onde encontrar
 

A Embrapa comercializa o copo medidor de perdas na colheita de soja em duas opções: a) 1 copo e 1 manual a  R$ 5,00 e b) box (2 copos e  2 manuais a R$ 11,00. Os interessados podem solicitar o copo medidor  pelo telefone (43) 3371-6119 ou pelo e-mail: cnpso.vendas@embrapa.br.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.