MG: néctar produzido pelo ingá é alternativa contra pragas do cafeeiro
CI
Agronegócio

MG: néctar produzido pelo ingá é alternativa contra pragas do cafeeiro

Estudo diz que controle biológico pode reduzir uso de defensivos
Por:
Pesquisas realizadas no município de Araponga, Zona da Mata Mineira, apontam o plantio consorciado de café com plantas que possuem nectários extraflorais (estruturas produtoras de néctar que não estão diretamente relacionadas à polinização), como o ingá, como alternativa para aumentar o controle natural de pragas.

O estudo orientado pela pesquisadora da EPAMIG Madelaine Venzon, indica que plantas de café próximas às árvores de ingá são mais protegidas contra o ataque de pragas. "A importância desta pesquisa está em demonstrar que os nectários extraflorais de uma planta podem proteger também as plantas vizinhas", afirma Madelaine.

A pesquisa, realizada por meio de uma parceria entre a EPAMIG Zona da Mata e Universidade Federal de Viçosa, foi desenvolvida pela estudante de doutorado em entomologia da UFV, Maíra Queiroz Rezende e propõe o controle biológico conservativo como forma de combater pragas e reduzir o uso de agrotóxicos na agricultura. A técnica consiste na manipulação do ambiente por meio do plantio de espécies que possam beneficiar predadores e parasitoides (inimigos naturais das pragas) fornecendo a eles alimentos e locais de refúgio. "Os nectários extraflorais funcionam como um mecanismo indireto de defesa da planta. Os inimigos naturais são atraídos pelo néctar e acabam protegendo a planta contra potenciais herbívoros e contra as principais pragas do café, como o bicho-mineiro e a broca-do-café", informa a pesquisadora.

Os experimentos foram realizados junto a cafeicultores que já utilizam o cultivo agroecológico em sistemas agroflorestais, no qual o café é consorciado com outras espécies vegetais. Esses sistemas começaram a ser implantados em 1993, por meio de parceria com o Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA). A pesquisa contou com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig/ Programa Pesquisador Mineiro), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Um artigo sobre o tema foi publicado no volume 188 do periódico Agriculture, Ecosystems & Environment de abril de 2014. Trata-se de uma revista internacional de Pesquisa Científica com foco na interação entre Agroecossistemas e Meio Ambiente, publicada pelo Grupo Elsevier.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink