Microaçudes mudam realidade de municípios do Médio Alto Uruguai

Agronegócio

Microaçudes mudam realidade de municípios do Médio Alto Uruguai

A água captada nos microaçudes será destinada à irrigação de culturas anuais, fruticultura e pastagens, como alternativa paraamenizar os efeitos das estiagens na região
Por: -Janice
732 acessos

Municípios fortemente atingidos pela estiagem, começam a vislumbrar uma realidade diferente. Na terça-feira (04), o secretário extraordinário de Irrigação, Rogério Porto, esteve no Médio Alto Uruguai, nos municípios de Taquaruçu do Sul, Pinhal e Rodeio Bonito, inaugurando microaçudes. Na região, em torno de 70 açudes já foram construídos, com cerca de 0,4 hectare de área molhada cada um. Até o momento, na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, que compreende 70 municípios, foram elaborados 500 projetos de microaçudes, mas a expectativa é alcançar 1,5 mil projetos.

As ações fazem parte do Programa Estadual de Irrigação – Pró-Irrigação,gerenciadopela Secretaria Extraordinária da Irrigação e dos Usos Múltiplos da Água (Siuma) e executado pela Emater/RS-Ascar. O Programa, que integra a Frente Programática Irrigação e Usos Múltiplos da Água, tem por objetivo capacitar produtores rurais à captação e reserva da água, a partir de recursos disponibilizados pelo Governo do Estado. A água captada nos microaçudes será destinada à irrigação de culturas anuais, fruticultura e pastagens, como alternativa paraamenizar os efeitos das estiagens na região.

De acordo com o secretário Rogério Porto, a Emater/RS-Ascar está desempenhando um papel fundamental na execução do Programa. Porto disse que o microaçude é a grande solução para a pequena propriedade. "Ele acumula um volume expressivo de água, principalmente a da chuva".

Os resultados do Pró-Irrigação, na avaliação dos técnicos da Emater/RS-Ascar, são práticos, visíveis e decisivos para o desenvolvimento das propriedades rurais. “O Rio Grande do Sul depara-se a cada ano com a possibilidade de estiagem. É imprescindível preservar os mananciais hídricos existentes e também acumularmos água nos períodos de chuvas, como forma de prevenção para esses momentos críticos”, disse o gerente técnico da Emater/RS-Ascar, Flávio Calcanhoto.

Produtores começam a investir em prevenção

Para o produtor Nestor Fiorezzi, do município de Pinhal, a construção do microaçude é a concretização de um sonho. Em uma área total de 35,2 hectares ele tem, na atividade leiteira, a principal renda. São 25 vacas que produzem 11 mil litros de leite/mês. No entanto, relata que no período da estiagem a produção reduziu pela metade. Agora, com o microaçude, de cerca de um hectare de área molhada, será implantado um projeto piloto de irrigação em pastagens perenes para quatro hectares. Esse benefício custou como contrapartida à Fiorezzi o valor de R$ 1.680,00, sendo o restante pago pelo Governo do Estado.

Da mesma forma, para o produtor Dilvo Cenci, de Pinhal o microaçude irá trazer novas perspectivas para a propriedade. Em uma área de 15 hectares ele tem uma agroindústria de derivados de cana-de-açúcar e produção de leite com 20 animais. O mesmo pretende elevar a produção de 3 mil litros/mês para 8 mil litros/mês, investindo na alimentação de animais, ou seja, pastagens com irrigação.

No município de Taquaruçu do Sul, são 23 microaçudes construídos e 38 projetos a serem executados. Em Pinhal, foram oito concluídos e 30 a serem executados. Já em Rodeio Bonito, cinco microaçudes estão prontos e 30 projetos serão executados. As informações são da assessoria de imprensa da Emater/RS-Ascar.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink