Milho nativo retoma espaço em Santa Catarina


Agronegócio

Milho nativo retoma espaço em Santa Catarina

Por:
114 acessos

O alto custo das lavouras de milho híbrido, que necessitam de grande investimento em adubação e agroquímicos, tem fomentado experiências de resgate do milho crioulo (nativo), para reduzir os custos de produção. O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Chapecó e Região realizou na sexta-feira (07-02) o lançamento de um destes programas, denominado Semente de Uma Terra Solidária. O ato foi realizado na propriedade de Domingos Bergonzi, em Nova Itaberaba, juntamente com a colheita de milho. Bergonzi passou a utilizar o milho crioulo há três anos, para reduzir os custos de produção.

Neste ano ele plantou sete quilos de semente, numa área inferior a meio hectare. A produção de 50 sacas, se fosse dimensionada para um hectare, chegaria a 115 sacas, próxima da produção de lavouras com milho híbrido. A grande vantagem é no custo de produção. Bergonzi gastou menos de R$ 50 na lavoura, contra um custo de R$ 450 por hectare de uma lavoura tradicional. “O lucro é maior”, avaliou. Bergonzi disse que o milho crioulo foi abandonado por uma falta de capricho dos agricultores, mas que deve ser retomado. Para o próximo ano, ele pretende ampliar a área de milho crioulo para 1,5 a 2 hectares. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Chapecó e Região, Alexandre Bergamin, disse que a economia nas lavoura de milho crioulo chega a 70%. Além disso, ele ressaltou a independência dos produtor em ter a sua própria semente, evitando comprar um produto que custa mais de R$ 100 a saca de 20 quilos.

O vice-prefeito de Nova Itaberaba, Lauri de Medeiros, disse que não adianta uma lavoura com grande produtividade, se os custos não compensam. O projeto “Semente de Uma Terra Solidária” já tem 40 produtores que cultivam uma área de cinco hectares. Em parceria com a Universidade Regional de Chapecó (Unochapecó), Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste (Apaco), Cooperativa de Crédito Solidário e municípios da região, a meta é triplicar o volume de sementes já no próximo ano.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink