Milho transgênico duplica produção do Paraguai

EDIÇÃO GENÉTICA

Milho transgênico duplica produção do Paraguai

"Se os níveis de produtividade do milho de 20 anos atrás tivessem sido mantidos, teria exigido o dobro da área"
Por: -Leonardo Gottems
499 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A utilização do milho transgênico duplicou a produção do cereal no Paraguai durante duas décadas de plantio da variedade. Um novo relatório do Instituto de Biotecnologia Agrícola (INBio) indicou que o Paraguai é o sexto maior produtor de culturas transgênicas do mundo, com cerca de 3 milhões de hectares de soja, milho e algodão. 

O relatório da instituição afirma que na safra de 1999 a produtividade por hectare era de 2292 kg. No entanto, esses níveis de rendimento aumentaram 100% em duas décadas, registrando cerca de 5500 kg por hectare na última campanha. Nesse cenário, no caso do milho transgênico, esta tecnologia contribuiu para dobrar a produção, o que significa evitar duplo uso da terra em termos de impacto ambiental. 

Segundo o relatório, a biotecnologia, juntamente com a manipulação mais eficiente como ajustes de densidade de plantas, fertilizantes, aplicação de fungicida e adoção do sistema de plantio direto ajudou a aumentar a produtividade desta categoria importante para toda a economia nacional. Além disso, auxiliou no desenvolvimento de energia sustentável, como o etanol gerado a partir do processamento de cereais, principalmente milho. 

A publicação afirma que, se os níveis de produtividade do milho de 20 anos atrás tivessem sido mantidos, teria exigido o dobro da área destinada a alcançar o volume de produção atualmente conhecido. Em termos de desenvolvimento biotecnológico, o Paraguai tem 21 eventos transgênicos comercialmente liberados, dos quais 15 são das espécies de milho. 

“A partir de 2012, com o estabelecimento de um sistema regulatório altamente profissional, foi alcançado um importante avanço biotecnológico nessa área, que permite a promoção da produção de carne (bovina, suína e aviária), ovos e leite, além de o despertar da indústria do etanol que está perto de atender a demanda local anual existente”, completa o texto.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink