Ministro impede suspensão de desapropriações
CI
Agronegócio

Ministro impede suspensão de desapropriações

Segundo dados do Incra, de 1,3 mil processos de desapropriação abertos desde 2001, 445 foram alvo de ações judiciais tentando impedi-los
Por:
O ministro Eros Grau vêm mantendo no Supremo Tribunal Federal (STF) uma posição inovadora quanto ao processo de desapropriação de terras pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Reiterado em duas decisões publicadas entre 2007 e o mês de julho deste ano, o entendimento de Eros Grau impede que fazendeiros suspendam judicialmente a desapropriação de suas terras. Segundo dados do Incra, de 1,3 mil processos de desapropriação abertos desde 2001, 445 foram alvo de ações judiciais tentando impedi-los.

A Lei Complementar nº 76, de 1993, que trata das desapropriações para reforma agrária, prevê um rito sumário segundo o qual a ação de desapropriação não pode ser interrompida, nem judicialmente. Caso haja problemas no processo, como erro na avaliação da propriedade, caberia à Justiça fixar uma indenização para o proprietário mais tarde, mas a desapropriação deve seguir. O problema é que os tribunais não aplicam o dispositivo e as ações de desapropriação atrasam em média quatro anos por isso.

Na última decisão a respeito, o ministro Eros Grau admitiu uma reclamação do Incra contra uma decisão da primeira instância da Justiça Federal de Santa Catarina. O juiz local suspendeu o processo de desapropriação da Fazenda Mato Queimado, no município de Taió, declarada de interesse social desde janeiro deste ano. 'Ocorre em qualquer ação expropriatória a initerruptibilidade de seu procedimento, com prazos e providências indeclináveis pelo Juízo', afirmou Eros Grau, referindo-se à Lei Complementar nº 76.

Segundo o procurador responsável pela ação, Valdez Farias, além da nova posição de Eros no Supremo, a atuação do Incra também vem sendo socorrida por decisões recentes dos ministros Gilmar Mendes e Ellen Gracie, segundo quais as ações de desapropriação podem ser contestadas apenas na corte, criando uma espécie de 'foro privilegiado' para as contestações. Isso porque o decreto de desapropriação para reforma agrária é assinado pelo próprio presidente da República, portanto questionável apenas no Supremo. 'Isso evita a pulverização de decisões na primeira instância, que tem entendimentos diferentes, mas em geral não aplica o rito sumário', diz Valdez. Na reclamação julgada recentemente por Eros Grau, ele menciona o foro exclusivo do Supremo na desapropriação como uma jurisprudência firme na corte, citando também um precedente mais antigo do ministro Sepúlveda Pertence.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.