Mix mais açucareiro marca safra 2020/21 no Centro-Sul do Brasil

SAFRA 2020/21

Mix mais açucareiro marca safra 2020/21 no Centro-Sul do Brasil

A destilação de etanol de cana, por sua vez, deve totalizar 29,9 milhões de m³
Por:
191 acessos

Dinâmica das cotações dos dois subprodutos da cana favorece direcionamento à produção de açúcar no Centro-Sul, estimada em 29,4 milhões de toneladas

Com a tendência altista dos preços do açúcar sendo reforçada desde o início do último trimestre de 2019, as expectativas de um direcionamento mais robusto de cana à fabricação do adoçante têm sido concretizadas no ciclo 2020/21 no Centro-Sul brasileiro.

Segundo estimativa divulgada nesta quinta-feira (30) pela INTL FCStone, 29,4 milhões de toneladas de açúcar devem ser produzidas na safra 2020/21, volume 3,3% superior à estimativa de outubro/19 e 10,7% maior do que a projeção de fabricação para 2019/20. Esse valor representa participação de 37,8% no mix produtivo, alta de 0,4 pontos percentuais em relação à publicação de outubro/19 e de 3,7 p.p. ante à safra 2019/20.

“O contrato contínuo do #11 saiu de US¢ 12,88/lb em 1º de outubro e encerrou a sexta-feira (24), por exemplo, cotado a US¢ 14,21/lb – valorização de cerca de 10,3%.”, contextualiza o analista de inteligência de mercado do grupo, Matheus Costa.

A destilação de etanol de cana, por sua vez, deve totalizar 29,9 milhões de m³, avançando cerca de 0,5 milhão de m³ em relação à estimativa anterior, mas recuando 5,7% no comparativo anual. Especificamente, serão destilados 20,4 milhões de m³ de hidratado (-0,1% e -9,0%, respectivamente) e 9,6 milhões de m³ de anidro (+6,0% e +2,1%). 

“Essa dinâmica é resultado das perspectivas de novo crescimento do consumo de combustíveis de ciclo Otto e, com base nas projeções para o dólar comercial e para o petróleo, de redução na participação do hidratado no total demandado”, explica Costa.

A INTL FCStone destaca que o crescimento exponencial da produção de etanol de milho deve persistir em 2020/21. Isso porque espera-se que novas usinas dedicadas à destilação do cereal entrem em operação ao longo do ano corrente, com a possibilidade de que outras empresas também iniciem suas operações em 2021. Destaca-se que as novas operações, ao menos para 2020/21, devem ser majoritariamente iniciadas no Mato Grosso, que já representa parte expressiva da capacidade nominal atual de produção. 

As expectativas do grupo são de que pouco menos de 1,7 milhão de m³ de hidratado e cerca de 804 mil m³ de anidro sejam produzidos a partir do milho, o que totaliza aproximadamente 2,5 milhões de m³ de etanol. 

Em suma, somando os volumes obtidos a partir das duas matérias-primas analisadas, o Centro-Sul deve fabricar 32,4 milhões de m³ de etanol – queda de 2,8% em relação ao que é estimado para 2019/20.

Com relação à moagem de cana, espera-se crescimento de 0,9% em relação ao estimado para a safra atual, e 1,6% ante ao número apresentado em outubro/19, passando para 595,0 milhões de toneladas em 2020/21. Quanto ao ATR médio, a revisão da INTL FCStone eleva a projeção para a concentração de açúcares na cana para 137,3 kg/t, considerando os impactos das condições climáticas mais secas ao longo dos últimos meses. 
 
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink