Moçambique detecta surto de febre aftosa e abate 45 bovinos

Agronegócio

Moçambique detecta surto de febre aftosa e abate 45 bovinos

O foco foi detectado em 26 de março nas localidades de Nhamavila e Manjacaze, ambas na província de Gaza, mas os animais são provenientes de Tete
Por:
248 acessos

As autoridades veterinárias moçambicanas detectaram um surto de febre aftosa no sul do país, que levou já ao abate e incineração de 45 bovinos e à proibição da movimentação de gado por tempo indeterminado.

De acordo com o diário moçambicano Notícias, o foco foi detectado em 26 de março nas localidades de Nhamavila e Manjacaze, ambas na província de Gaza, mas os animais são provenientes de Tete (centro) e foram levados para o sul do país "por uma organização não-governamental com o objetivo do fomento pecuário para a comunidade".

As restrições à entrada e saída de animais foi, por essa razão, estendida à província de Tete, adianta o mesmo jornal, calculando que mais de 14 mil animais podem estar em risco no sul do país.

"Logo que confirmamos a presença de sinais que sugerem a presença de febre aftosa, sobretudo lesões na boca e nos cascos, abatemos os animais doentes e restringimos a circulação de gado em Nhamavila e Manjacaze, por forma a evitar que a doença se espalhe com facilidade para outras áreas consideradas ainda livres da doença", afirmou Sara Macie, chefe dos Serviços Provinciais de Pecuária de Gaza, citada pelo diário.

A febre aftosa é uma doença altamente contagiosa, que só afeta animais, podendo ter graves conseqüências econômicas, quer pelo abate dos animais infectados, quer pelo embargo às exportações de gado, carne e produtos lácteos.

Foi o que aconteceu recentemente ao Brasil, que ficou proibido de exportar carne de bovino para a União Européia devido à descoberta de focos desta doença em vários estados.

A União Européia decidiu também, no ano passado, embargar as importações de carne de vaca de alguns departamentos da província argentina de Corrientes (Nordeste), afetados por uma epidemia de febre aftosa.

A doença pode propagar-se por via aérea, podendo ainda ser transportada pelas rodas de um caminhão ou pelas solas dos sapatos de um turista.

Em fevereiro de 2001, a Grã-Bretanha foi afetada por surtos de febre aftosa que levaram a Comissão Européia a proibir as exportações de gado, carne e produtos lácteos para os restantes Estados-membros.

Além do embargo, Portugal adotou naquela época outras medidas de precaução, como a inspeção de todos os passageiros provenientes do Reino Unido que entrassem no país por via aérea ou marítima.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink