Agronegócio

Monsanto faz críticas à Comissão de Biossegurança

Dirigente da subsidiária brasileira da Monsanto declara-se desapontado com o funcionamento da CTNBio
Por: -Mauro Zanatta
6 acessos
Há três meses no comando da subsidiária brasileira da americana Monsanto, o espanhol Alfonso Alba Ordóñez declara-se desapontado com o funcionamento da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), responsável pela avaliação de organismos geneticamente modificados (OGM) no país. "Faz um ano que a CTNBio funciona e nada foi aprovado. Algo deve estar acontecendo que não está conforme".


Em entrevista ao Valor, o executivo diz que a Lei de Biossegurança "é boa", mas recomenda mudança no processo interno do colegiado. "É um mecanismo complexo, um processo que não é simples com a [necessidade da] votação de dois terços. É um processo muito demorado e algo deve mudar". Pela lei, publicada em março de 2005, são necessários os votos de dois terços dos membros da CTNBio para garantir a liberação comercial de novos transgênicos.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink