Monsanto responde ao estudo francês sobre ratos
CI
Agronegócio

Monsanto responde ao estudo francês sobre ratos

A Monsanto já avaliou o estudo e resume sua resposta
Por:
Na última semana, um trabalho realizado por uma equipe de uma universidade francesa foi publicado pela revista "Food and Chemical Toxicology", alegando ter encontrado efeitos negativos na saúde de ratos de laboratório alimentados com uma dieta de milho transgênico. Vários cientistas examinaram o estudo e postaram ou publicaram comentários a respeito.


A Monsanto já avaliou o estudo e resume, abaixo, sua resposta:

Esse estudo não atende às normas mínimas aceitáveis para esse tipo de pesquisa científica, as descobertas não são fundamentadas pelos dados apresentados e as conclusões não são relevantes para efeitos de avaliação de segurança.

Os toxicologistas e especialistas em saúde pública vêm problemas fundamentais com o formato do estudo. Não há informações essenciais sobre a forma como a pesquisa foi conduzida, e os dados apresentados não suportam as interpretações do autor.

Entre as principais deficiências estão:

• O protocolo de pesquisa não atende às normas da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

• A fonte e a qualidade do milho utilizado não ficam claras.

• Detalhes essenciais sobre a preparação da dieta e ingestão dietética estão ausentes.

• Há completa falta de dados relativos às afirmações de histopatologia de fígado ou rim, aos testes de função hepática e à atividade do citocromo.

• Falta de qualquer análise estatística de mortalidade ou pontos de avaliação da incidência de tumores.

• As taxas de mortalidade e incidência de tumores em todos os grupos se encaixam nas normas históricas para esse tipo de ratos de laboratório, que é conhecida por sua alta incidência de tumores.

• Os dados apresentados são altamente esporádicos, utilizando métodos diferentes para machos e fêmeas, e não são suficientes para sustentar as conclusões.

• Existe uma falta de relação dose-resposta ao longo do estudo.

Não existe nenhum mecanismo plausível para os resultados relatados com milho geneticamente modificado e os resultados são inconsistentes com uma extensa gama de experiências e estudos científicos. Dados abrangentes sobre testes em animais e in-vitro (tubo de ensaio) demonstraram que o glifosato não provoca câncer ou tumores, nem é um disruptor endócrino. Esse estudo não fornece informações que questionem as avaliações de segurança abrangentes do glifosato ou de herbicidas Roundup.


Leia aqui nossa resposta detalhada

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink