Agronegócio

MP pode irá à Justiça contra CTNBio pela liberação de OGM

Ministério Público questionará liberações comerciais sem estudos de impacto ambiental
Por: -Mauro Zanatta
2 acessos
O Ministério Público Federal está disposto a abrir um novo capítulo na batalha judicial em torno da liberação comercial de organismos geneticamente modificados (OGM) no país. A subprocuradora-geral da República, Sandra Cureau, informa que questionará na Justiça eventuais liberações comerciais pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) sem a realização de estudos de impacto ambiental no Brasil.


Em entrevista ao Valor, Cureau afirma que não permitirá a aprovação de novos transgênicos no Brasil "apenas" com base na literatura científica e na experiência de outros países que já permitiram o plantio desses organismos. "Os estudos têm que ser feitos na área onde serão plantados. Tem que fazer no país e ver o impacto. Não se admite dados secundários de livros ou de outros países com outro tipo de biodiversidade. Não pode ser diferente disso", afirma. "Se houver dispensa de EIA-Rima, deve se propor uma ação para que o juiz mande fazer". O colegiado avalia a liberação do milho transgênico resistente ao glufosinato de amônio, um princípio ativo presente em herbicidas, produzido pela múlti Bayer CropScience.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink