MS: economia com processamento do leite pode alcançar 300%
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,704 (-2,06%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (0,61%)

Imagem: Divulgação

ECONOMIA

MS: economia com processamento do leite pode alcançar 300%

Queijo minas e requeijão cremoso estão entre as produções mais rentáveis do mix de lácteos
190 acessos

Difícil encontrar alguém que não goste de muçarela, um iogurte, provolone, e tantos outros derivados do leite. Além da boa aceitação entre os consumidores, a versatilidade desse lácteo possibilita uma economia que pode chegar a 300%, como é o caso do requeijão cremoso. Na editoria #EducaçãonoCampo desta quarta-feira (19), vamos falar sobre as possibilidades e o valor agregado deste produto.
 
Além do sabor inconfundível e a forte presença culinária, a lucratividade do leite é um ponto que merece destaque. De acordo com a nutricionista Ana Carla da Silva, instrutora do Senar Mato Grosso do Sul, o cálculo é simples. “Levando em consideração que o produtor tem custo em torno de R$ 1,30 por litro de leite, para preparar seis potes de 200 gramas de requeijão cremoso, ele precisa de R$ 9,75. Se fosse comprar no supermercado, ele gastaria aproximadamente R$ 30, ou seja, a economia é de 300%”. 

O queijo minas é o mais rentável entre os derivados dos produtos lácteos. “A transformação do leite em queijo exige pouco tempo de exposição, fácil de preparar, já que fica pronto em apenas 3 horas, não exige temperaturas específicas ou mesmo equipamentos complexos. O custo aproximado para fabricar um queijo é R$ 9,50, e ele pode ser vendido por R$ 25 reais, ou seja, lucro de 170%”, complementa.

No plano instrucional do curso ‘Fabricação Caseira de Derivados do Leite’, oferecido gratuitamente pelo Senar/MS, a perecibilidade e a industrialização artesanal são itens abordados. “Existe a preocupação de repassar os cuidados necessários com essa matéria prima, no manuseio, na obtenção, no armazenamento e, ao mesmo tempo, apresentar o quanto é possível agregar valor com o beneficiamento do leite, aproveitando o nível nutricional principalmente no quesito saúde”, acrescenta Ana Carla. 

Com carga horária de 24h, a capacitação traz instruções normativas desta cadeia produtiva, processamento, aproveitamento, produção de ricota, bebida láctea achocolatada, queijo temperado, muçarela, iogurte, doce de leite cremoso e barra, além de medidas de segurança no trabalho, meio ambiente, entre outros temas que ajudam na transformação de uma propriedade de leite em uma queijaria. 

Ficou interessado no assunto? Na editoria #MercadoAgropecuário publicada na segunda-feira (17), falamos sobre a demanda interna por produtos lácteos e as oportunidades. Confira o vídeo da transmissão da #LiveSistemaFamasul na íntegra com especialistas desta área. Clique aqui


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink