MS utiliza apenas 5,6% do seu potencial de irrigação na agricultura
CI
Imagem: Marcel Oliveira
TECNOLOGIA

MS utiliza apenas 5,6% do seu potencial de irrigação na agricultura

Atualmente Estado irriga 265 mil hectares, mas poderia irrigar 4,7 milhões de hectares
Por: -Eliza Maliszewski

O Mato Grosso do Sul é o quinto maior produtor de grãos do país. Na safra 2020/21, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) serão 18.885 milhões de toneladas, com destaque para soja, milho, arroz, sorgo e trigo. Mas o potencial é ainda maior caso haja investimento em tecnologias como a irrigação.

Segundo o Ministério da Agricultura o estado irriga 265 mil hectares mas teria possibilidade de irrigar 4,7 milhões de hectares. Os números foram apresentados pelo Secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, durante o evento de comemoração dos 70 anos do SRCG (Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho), que se estende até sábado (10).

As áreas que produtores rurais de Mato Grosso do Sul irrigam atualmente, dedicam-se a culturas como arroz, café, cana-de-açúcar, e culturas anuais (em pivôs centrais). No topo do ranking dos municípios que mais se utilizam dessa tecnologia, em primeiro lugar está Rio Brilhante, seguido de Dourados e Nova Andradina.

Alguns problemas barram esse avanço e são comuns, também, a outros estados: outorga de área irrigada, construção de barramentos, e outra questão importante que Mato Grosso do Sul ainda tem, como a energia elétrica. "Fui procurado por produtores de Três Lagoas, ao lado do complexo de Jupiá – Urubupungá, com problemas de energia elétrica, por mais absurdo que possa parecer”, sinaliza Camargo.

Segundo ele, resolvendo esses três problemas, MS pode aumentar sua área irrigada, avançar na produtividade, evoluir quanto a fixação de carbono e evitar resiliências de preços, em época de crise hídrica, como a atual.

“Acredito muito que MS pode ser o estado de baixo carbono, o estado do ILPF, o estado da agricultura irrigada, o estado que vai agregar valor, e assim como a carne carbono zero, vamos ter a soja baixo carbono, a cana de baixo carbono, o algodão de baixo carbono [...] acredito muito na fala do governador [Reinaldo Azambuja], em que se refere a Mato Grosso do Sul, como o estado da sustentabilidade e deve ser o estado do baixo carbono na sua agropecuária” finaliza.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.