Novo arroz nacional tem qualidade do italiano
CI
Agronegócio

Novo arroz nacional tem qualidade do italiano

A IAC 300 é alternativa para não depender do arroz arbóreo importado
Por:

A nova variedade de arroz IAC 300 - tipo especial arbóreo para a culinária italiana - foi lançada na quinta-feira (15-02), em Pindamonhangaba (SP), durante o VI Dia de Campo de Arroz, que o IAC realiza em parceria com o Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Vale do Paraíba, órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Para os agricultores, a IAC 300 traz uma nova opção de negócio essa variedade tem alto valor agregado, apesar de ter os mesmos custos de produção do arroz agulhinha e os mesmos modos de produção. Para o consumidor, é a alternativa para não depender do arroz arbóreo importado e fazer um risoto com arroz de mesma qualidade que os importados da Itália.

De acordo com os pesquisadores, a nova variedade IAC 300 pode ser produzida em qualquer região de São Paulo, no sistema inundado. Mas a formação do amido - responsável pela cremosidade do risoto - é altamente influenciada pelo ambiente. O ideal é haver temperaturas mínimas noturnas de 22º C, característica presente no Vale do Paraíba. A produtividade do novo material foi comparada com a principal variedade italiana - Volano - que rende de 6 a 7 mil quilos/ha na Itália. No Brasil, esse arroz italiano apresenta problemas de fitossanidade e de produtividade, não superando os 3.200 quilos/ha. A variedade IAC produz 30% a mais que o Volano. De ciclo precoce, a IAC 300 requer 113 dias do plantio até a colheita e é moderamente resistente à brusone, principal doença que ataca o arroz.

O Estado de São Paulo é o maior consumidor de arroz do país. O Instituto de Economia Agrícola (IEA), registra uma área em torno de 33 mil hectares de plantio entre arroz de sequeiro e de várzea e arroz irrigado. A região do Vale do Paraíba é a maior região produtora do Estado com 10.804 hectares de arroz e produção de 789.733 sacas, ou seja 50% da produção estadual.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink