Novo ministro defende Integração de políticas do setor agrário

Agronegócio

Novo ministro defende Integração de políticas do setor agrário

Com isso, Florence espera atingir rapidamente os objetivos centrais do governo
Por: -Danilo Macedo
1679 acessos

Brasília – Ao assumir nesta segunda-feira (3) o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Afonso Florence disse que sua meta é a integração das políticas de desenvolvimento agrário e reforma agrária com as políticas de transferência de renda e inclusão social de outros ministérios.

Com isso, Florence espera atingir rapidamente os objetivos centrais do governo: “combate à pobreza e melhoria da qualidade do povo brasileiro, do povo do campo”. Segundo o novo ministro, estudos apontam que ainda há 4,9 milhões de pessoas na condição de extrema pobreza na agricultura familiar brasileira.

Eleito deputado federal pelo PT da Bahia, Florence assumiu a pasta no lugar do gaúcho Guilherme Cassel, ministro desde 2006, que foi aplaudido de pé por todos os presentes à cerimônia e fez um pequeno balanço das realizações do MDA nos últimos oito anos, como o assentamento de aproximadamente 620 mil famílias e a retirada de 4,8 milhões de pessoas do campo da condição de pobreza.

Ele também agradeceu a toda a equipe que o ajudou, especialmente ao presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbart, e ao ex-ministro Miguel Rossetto, que o antecedeu e é considerado seu melhor amigo. Ao final, Cassel se despediu desejando boa sorte e força ao sucessor. “Axé, tchê”, disse ele.

O novo ministro prometeu garantir a manutenção do canal de comunicação com os movimentos sociais organizados e também com o empresariado ligado ao setor. Formado em história pela Universidade Federal da Bahia, Florence é professor da Universidade Católica de Salvador e integra a chamada Democracia Socialista do PT, a mesma de Cassel. Ele foi secretário estadual de Desenvolvimento Urbano no primeiro mandato do governador Jaques Wagner.

Florence também falou sobre um tema considerado polêmico no governo Lula: a revisão dos índices de produtividade no campo. Primeiro afirmou à imprensa que “a revisão dos índices de produtividade, assim como outras providências para modernizar o meio rural brasileiro, é do interesse do país”. Depois, disse que, se a revisão for necessária, o ministro Rossi [Wagner Rossi, da Agricultura], "com o profissionalismo que o caracteriza", assim também procederá.

Ele disse que, “num futuro muito próximo”, haverá uma posição única sobre o assunto. Entretanto, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, já manifestou algumas vezes sua posição contrária aos índices de produtividade, chegando a dizer que seria uma afronta a um dos setores que mais cresceram nos últimos anos, e que serviria apenas para trazer insegurança ao campo.

Também participaram da cerimônia no MDA as ministras do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, o governador da Bahia, Jacques Wagner, o senador eleito Walter Pinheiro (PT-BA), o presidente do PT, José Eduardo Dutra, e o representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para a América Latina e Caribe, José Graziano, que será o candidato brasileiro ao posto de diretor-geral da entidade nas eleições do meio do ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink