Saúde animal

Novos registros de Influenza Aviária envolvem 4 continentes

O vírus está presente na Europa, Ásia, África e América Central
Por:
89 acessos

Sem registro de novos casos há mais de três meses, diversos países asíaticos e europeus afetados pela Influenza Aviária começam a se declarar “áreas livres da doença” – como estabelece a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Mas podem estar agindo precipitadamente, pois a chegada do Inverno no Hemisfério Norte vem fazendo o problema reaparecer. 

Quem, por exemplo, acaba de declarar seu país livre da IA é o Ministro da Agricultura da França, onde os surtos de H5N8 iniciados no final de 2016 se estenderam até junho de 2017. Mas dois países fronteiriços – Itália e Alemanha – acabam de registrar novos casos, situação que se repete na Rússia e em Chipre. Na Ásia, quem continua enfrentando sérios desafios com a Influenza Aviária é a China. 

Mas a presença do vírus da Influenza Aviária não se resume à Europa e à Ásia. No continente africano ele continua ocasionando problemas em vários países, chamando mais a atenção os casos ocorridos na África do Sul, onde quase uma centena de localidades já registrou casos da variante H5N8. 

Diante do agravamento da situação, o governo sul-africano avalia, no momento, a possibilidade de adotar a vacinação preventiva, recurso que não é visto com bons olhos, pois irá afetar as exportações dos produtos avícolas da África do Sul.

Não há dados sobre a extensão dos problemas causados pelo vírus da IA na avicultura local, mas tudo indica que há grandes perdas na produção, porquanto governo e indústria estudam, no momento, a possibilidade de importar ovos férteis para a produção de pintos de corte. 

Por fim, há um registro da doença na América Central. O Ministério da Agricultura da República Dominicana reportou à OIE a presença da variante H5N2, caracterizada como de baixa patogenicidade. O caso foi registrado em uma granja de poedeiras (49 mil aves) da província de Espaillat e detectado após queda elevada da postura e aumento anormal da mortalidade.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink