Nufarm confirma oferta de 1,32 bilhão de libras

Agronegócio

Nufarm confirma oferta de 1,32 bilhão de libras

Esta semana foi confirmada a oferta de 1,32 bilhão de libras pela Companhia Nufarm Australiana, que concluiu em 2006 a compra da Agripec
Por:
1678 acessos

As agências internacionais ligadas ao ramo do agronegócio, especialmente no setor de agroquímicos, vivenciam mais um momento de transferência de controle acionário. No final de outubro, foi anunciada a compra do controle da Arysta Internacional. Esta semana foi confirmada a oferta de 1,32 bilhão de libras pela Companhia Nufarm Australiana, que concluiu em 2006 a compra da Agripec, a penúltima das grandes companhias brasileiras do setor. A Agripec, sediada no distrito industrial de Maracanau, no Ceará, foi vendida pelo valor de U$ 280 milhões de dólares. A Nufarm é a segunda maior distribuidora mundial de genéricos para lavoura, tendo a frente somente a líder Makhtshim Agan de Israel, que por sua vez é representada no mercado brasileiro pela Milenia, fusão das antigas Herbitécnica e Defensa.

A supresa vem por conta dos compradores: China National Chemical Corp (ChemChina) que deterá 51% do negócio e Blackstone GroupFox Paine Management que completam o consórcio. Há informação que o Conselho de Administração da Nufarm recomendou que os acionistas acolhessem a proposta oferecida, que deverá ainda ser referendada com uma série de condições comerciais, financeiras, de patentes e ambientais a serem descrita em documento formal até o dia 12 de dezembro, prazo concedido pelas partes para que um terceiro se manifeste. O mercado tem anunciado o interesse da Makhtshin Agan pelo controle da Nufarm e sua expressiva posição na Austrália, Europa, EUA e Brasil, com ênfase na molécula mundial 2-4D, solução para dessecação. Neste momento o glifosato alcança alta de até 70% na compra internacional. A Monsanto e a MA Industries seriam outros interessados na empresa australiana.

Anuncia-se que a administração deveria prevalever à frente da empresa, em acordo operacional com a China National Chemical. O presidente da Nufarm, Dough Rathbone, que possui 17% das ações, sugeriu que outro grupo de australianos, que possuem 10% do controle, também fornecesse seus papéis ao preço sugerido de 17,25 dolares australianos por ação e 30 cents de dividendos. Estas especulações elevaram os preços oficiais da ação em 13% na última segunda-feira. O anúncio formal feito a Nufarm foi através do Golden Sachs, que representa um premium em torno de 28% sobre os preços regulares de outubro de 2007.

No Brasil começam as preocupações quanto à disponibilidade de produtos estratégicos e essenciais para a lavoura extensiva: cinco moléculas descontinuadas da China, falta de dessecantes e fungicidas e a alta no preço do petróleo.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink