O estímulo à agroecologia rende frutos no Espírito Santo

Agronegócio

O estímulo à agroecologia rende frutos no Espírito Santo

A gratidão dos agricultores é demonstrada todo fim de ano com festa em homenagem aos parceiros extensionistas
Por:
956 acessos

A cidade de Iconha, a 75 quilômetros da capital Vitória, é uma referência em transição agroecológica para todo o estado do Espirito Santo. O respeito mútuo entre extensionistas e produtores mudou o cenário agrícola do município a partir da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater). A união entre o saber técnico e a experiência do agricultor transformou a vida de muitas famílias da região. E um dos meios de fomento foi o projeto “Agroecologia, agricultura orgânica e Ater inclusiva: bases para a sustentabilidade da agricultura familiar”, desenvolvido pelo Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper).

Um dos responsáveis por esse processo é o extensionista Fábio Lopes Dalbom, de 38 anos, agente do Incaper. Ele coordena o projeto em Iconha desde 2010 e não tem dúvidas sobre o avanço da comunidade. “O trabalho é coletivo e fazemos isso de forma muito horizontal. Nos vemos de igual para igual com o agricultor. Nada de imposições. Mostramos o nosso saber, que é importante, mas sempre dialogando, unindo ao saber deles. É com essa mistura que alcançamos os objetivos”, explica Fábio.

Tudo começou em 2007, após uma pesquisa sobre a produção agrícola da região em que se constatou baixa diversificação de plantação, com produção baseada apenas nas culturas de café, banana e na pecuária. A ideia era levar uma nova cultura de trabalho rural, inserir programas de governo, qualificar os agricultores e criar uma produção mais forte e mais saudável, da plantação até a organização do sistema. E deu certo. Há nove anos, quando o projeto chegou a Iconha, apenas nove produtos tinham o selo orgânico. Hoje, são 28 com perspectiva de alcançar a meta de 54 até o final de 2017.

Para chegar a esse ponto, foram feitas pesquisas, oficinas, reuniões e qualificações, refletindo diretamente na produção do município com um aumento na produtividade de até 30%. De três tipos básicos de produção, a comunidade passou a produzir cerca de 70 itens diferentes, entre frutas e verduras. Gustavo Paganini Dadalto é um exemplo. “Eu tinha uma propriedade pequena. Lá, plantava só banana, inicialmente. Com a assistência, fomos para hortaliças, frutas, e tinha ainda o café. Com o acesso a informação, vendemos aquela e compramos uma área maior”, conta o agricultor.

Gustavo, que também preside a Cooperativa dos Agricultores Familiares Sul Litorânea do Espírito Santo (Cafsul), criada em 2011, após o trabalho de Ater, acompanhou todo o processo de transformação da região. Segundo ele, foram os extensionistas que apresentaram aos produtores rurais diversas possibilidades de crescimento. “Esse trabalho foi uma revolução aqui. Mudou muita coisa em pouco tempo. Tem casos de famílias que diversificaram em 100% a produção”, comenta o presidente da Cafsul. 

A gratidão dos agricultores é demonstrada todo fim de ano com festa em homenagem aos parceiros extensionistas. “A gente vê o agricultor com carro bom, recebendo informação, ganhando conhecimento, dividindo isso com os filhos, jovens voltando para o campo...  é muito importante o trabalho deles”, comenta Gustavo.

Para o extensionista Fábio Dalbom, a cumplicidade entre a equipe de Ater e os agricultores permite que as relações ultrapassem o campo. Não são raros os casos de amizade. “É uma proximidade muito grande. Uma troca e um aprendizado mútuo. A extensão rural é algo fantástico, que te dá prazer em fazer, em trabalhar”, completa Dalbom. 

Com auxílio da Incaper, que em 2016 comemora 60 anos de existência, mais de 190 famílias da região Sul do estado e aproximadamente 20 do município de Iconha passaram a participar da CafSul e da Associação Tapuio Ecológico, respectivamente. De 2012 a 2015, somente a Cooperativa vendeu R$ 4 milhões para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

Semana do Extensionista Rural – Transformando o Campo
Cerca de 20 mil extensionistas, espalhados por todo o Brasil, transformam o campo e plantam o futuro de quase 300 mil famílias de agricultores. Para homenagear o trabalho desses agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) realiza, do dia 5 a 12 de dezembro, a Semana do Extensionista Rural, trazendo histórias que mostram a importância desses profissionais em todas as cinco regiões do país. É a Sead trabalhando pela valorização e pela universalização das políticas de Ater. Leia mais sobre a campanha aqui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink