O potencial do agronegócio no Noroeste/RS

Agronegócio

O potencial do agronegócio no Noroeste/RS

Região é conhecida como "Berço Nacional da Soja"
Por:
1578 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
*Por Jairton Dezordi

A agricultura da região Noroeste e, em especial, a agricultura da região da Grande Santa Rosa possui um histórico de destaque. Fatos marcantes alavancaram a agricultura, em especial a produção de soja, para as demais regiões do Brasil. A introdução da cultura da soja, a Operação Tatu e o desenvolvimento do parque de indústrias fabricantes de máquinas agrícolas são apenas alguns bons exemplos de ações pioneiras da região, que contribuíram para o agronegócio brasileiro alcançar a posição de destaque que ocupa hoje no cenário internacional.

Conhecida até hoje como "Berço Nacional da Soja", a região, além de contribuir com a produção de soja para o abastecimento das indústrias nacionais, também participa do mercado de exportação desse grão, colaborando para a sustentabilidade da balança comercial brasileira. Dessa forma, a região atinge bons índices de produtividade na cultura da soja, acompanha as tendências tecnológicas e apresenta lavouras com produções superiores a 80 sacas por hectare.

Apesar disso, o setor primário da região percebeu que as suas potencialidades poderiam ser exploradas para além da cultura da soja e buscou um avanço no cultivo das demais culturas produtoras de grãos. Com isso, também está alcançando ótimos resultados em outras culturas, como, por exemplo, a produção de mais de 200 sacas de milho não irrigado por hectare e mais de 70 sacas de trigo por hectare. Esse contexto de produção de grãos, aliado à profissionalização da produção leiteira, tem criado uma ótima condição para a viabilização das propriedades rurais da região.

O avanço fantástico da tecnologia, com o aprimoramento da parte genética, o entendimento melhor dos conceitos de fertilização do solo e mais atenção ao grau de proteção das plantas, aliados a um bom comportamento do mercado nos últimos anos, deixam claro o cenário positivo a ser explorado pelo setor primário na região Fronteira-Noroeste do Rio Grande do Sul.

*Jairton Dezordi- Engenheiro agrônomo, responsável técnico da Cotrirosa
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink