Ocorrência de La Niña pode afetar a produção de grãos

Agronegócio

Ocorrência de La Niña pode afetar a produção de grãos

O fenômeno climático reduz precipitações e aumenta riscos de estiagens
Por:
71 acessos

A safra 2007/08 começa sob a influência da La Niña - fenômeno climático que reduz as precipitações no Sul do País e aumenta os riscos de estiagens regionalizadas. Isso significa que, se o Brasil teve uma colheita recorde - 130,5 milhões de toneladas - o feito pode não se repetir na atual temporada.

"O cenário projetado para a próxima safra é bem diferente da anterior", diz o meteorologista Paulo Etchitchury da Somar Meterologia. Segundo ele, a última incidência de La Niña foi na temporada 2005/06. Ocasião em que, a produtividade média de soja em Mato Grosso do Sul, por exemplo, foi de 50 a 55 sacas por hectare para 65 sacas por hectare na safra 2006/07. Isto porque na temporada passada o clima foi considerado excepcional. "Se a área for repetida, a safra não se repete", afirma André Madeira, meteorologista da ClimaTempo. Etchitchury diz que o principal alerta é quanto ao emprego da tecnologia. "O produtor terá de adequar o manejo e o ciclo das variedades, considerando a possibilidade de um período menor de chuvas ou risco de estiagem", diz.

Apesar de divergirem quanto à intensidade da La Niña - se fraca ou moderada - os meteorologistas acreditam que o fenômeno perdure até o verão. Etchitchury diz que a maior preocupação é no Sul do Brasil - no chamado Pampa, que abrange também áreas do Uruguai e Argentina. Naquela região o forte do agronegócio é o arroz irrigado e a pecuária de corte. De acordo com ele, para o arroz não haveria tanto perigo e sim, para as pastagens. Mas ele lembra que a região vem de um bom volume de chuvas, ou seja, haveria reservatório. "Haverá redução de chuvas, mas não escassez total", assegura Etchitchury.

Para o Centro-Oeste e Sudeste a presença da La Niña significa menos chuva no inverno e na primavera e um retorno da chamada "estação das águas" mais tardio. Na prática, segundo Etchitchury, isso pode significar um atraso no plantio.

Para Madeira, a perspectiva é que o fenômeno ganhe força em agosto. Segundo ele, o Sul deve sofrer com redução de chuvas em agosto, podendo afetar o plantio de milho no Rio Grande do Sul - primeiro a iniciar a safra. O meteorologista diz que o Oeste da região Sul do País e Centro-Oeste do Paraná devem ter redução de chuvas em outubro, assim como Mato Grosso do Sul sofrer com a baixa da umidade. Na avaliação de Madeira, isso poderia prejudicar ou atrasar o plantio da safra. Mas, segundo ele, a partir de novembro e dezembro o Centro-Sul tem bom volume de chuvas. Na última incidência do fenômeno, na safra 2005/06, produtividade média de soja foi 18% menor que a atua em Mato Grosso do Sul.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink