OCP respondem pelas novas unidades armazenadoras
CI
Agronegócio

OCP respondem pelas novas unidades armazenadoras

Exigência do credenciamento dos armazéns visa preservar qualidade dos produtos
Por:
Segundo números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) existem aproximadamente 18 mil unidades de armazenagem no país, das quais cerca de 400 são certificadas. Em Mato Grosso são 2131 armazéns registrados, com capacidade de 28.212.690 de toneladas, mas apenas 40 são certificadas. Recentemente, com a entrada em vigor da Instrução Normativa 41, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), sobre Certificação de Unidades Armazenadoras, a legislação deu responsabilidade aos Organismos de Certificação de Produtos (OCP) o credenciamento de unidades armazenadoras de grãos.
 
Dessa forma, os OCPs são acreditados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), responsável pelo controle e acompanhamento da concessão da licença e uso da identificação da certificação. A normativa estabeleceu que, no primeiro ano, 15% da capacidade instalada das empresas estivessem certificadas. A partir de 2013, o Mapa iniciou o processo de fiscalização para acompanhar a aplicação da legislação. A expectativa é de que a legislação dê um passo significativo em termos de qualidade do alimento que vai para o consumidor, além de assegurar a competitividade brasileira tanto no mercado interno como externo. A certificação é obrigatória para as unidades que prestam serviços remunerados a terceiros ou comercializam com a Conab e voluntária para as demais, mas é preciso comprovar todos os requisitos exigidos pelo sistema.
 
O OCP é acreditado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), responsável pelo controle e acompanhamento da concessão da licença e uso da identificação da certificação. De acordo com Márcio Vinícius Ribeiro de Moraes, diretor da OCP Pantanal Certificadora, a nova legislação deve melhorar a qualidade dos alimentos e zelar pela competitividade do país no mercado externo de grãos. Segundo ele, a certificação é baseada no tripé da sustentabilidade que são o social, ambiental e o econômico. De forma que é realizado um check-list na unidade armazenadora desde parte documental, estrutural e humana.

O diretor explica que a partir da adoção de padrões de qualidade da certificação de unidades armazenadoras, o produtor além de reduzir perdas e custos operacionais passa a ter maior acesso ao mercado externo. Esse sistema define regras e procedimentos de gestão para qualificação de armazéns para a guarda e conservação de produtos agropecuários dentro de padrões internacionalmente reconhecidos, além de possibilitar a rastreabilidade da produção.

O escalonamento determinado pelo Mapa na IN nº 41, que compreende o período de 2012 a 2017 e estabelece percentuais de implantação em seis etapas (sendo 15% das unidades nas cinco primeiras e 25% na sexta etapa), ainda está em vigor. O Sistema Nacional de Certificação de Unidades Armazenadoras define regras e procedimentos de gestão para qualificação de armazéns para a guarda e conservação de produtos agropecuários dentro de padrões internacionalmente reconhecidos.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.