OIE e FAO lançam ação global de combate à peste suína africana
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,00%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Imagem: Pixabay

INICIATIVA

OIE e FAO lançam ação global de combate à peste suína africana

Disseminação da PSA coloca os rebanhos de suínos domésticos e selvagens sob ameaça direta, dizem organizações
Por:
137 acessos

A carne suína é a proteína mais consumida no mundo, representando 35,6% do consumo global, mas, nos últimos anos, a peste suína africana (PSA) tornou-se uma grande ameaça ao setor, causando enormes perdas nos rebanhos e gerando drásticas consequências econômicas, de acordo com uma declaração conjunta da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Para apoiar os esforços dos países para proteger as economias e a segurança alimentar, as agências internacionais lançaram nesta segunda-feira (20/07) a Iniciativa para o Controle Global do PSA e pediram aos países e parceiros que unissem forças contra a doença.

Sem a existência de uma vacina eficaz, a PSA afeta hoje vários países da África, Ásia e Pacífico e Europa. Segundo declarações da OIE-FAO, o vírus não está apenas impedindo a saúde e o bem-estar dos animais, mas tem impactos negativos sobre os meios de subsistência dos agricultores.

Atualmente, 51 países são afetados pela peste suína africana. Em meio à difícil situação apresentada pelo Covid-19, a PSA continua a se espalhar, intensificando as atuais crises socioeconômicas e de saúde ”, disse o Dr. Matthew Stone, vice-diretor geral da OIE para padrões e ciências internacionais.

Muitos países afetados pelo PSA carecem de recursos humanos, financeiros ou técnicos suficientes para detectar e conter rapidamente doenças animais, disseram a OIE-FAO.

“Neste mundo globalizado, onde as doenças podem se espalhar rapidamente através das fronteiras, são necessários o compartilhamento oportuno das informações científicas mais recentes, a colaboração internacional e a notificação da PSA para evitar a disseminação transfronteiriça e minimizar o impacto”, disse a vice-diretora geral da FAO, Maria Helena Semedo.

Com base na experiência da colaboração de longa data entre o OIE e a FAO para o gerenciamento de riscos relacionados à saúde animal, a Estrutura Global conjunta para o controle progressivo de doenças animais transfronteiriças (GF-TADs) desenvolveu a nova iniciativa global com o objetivo de promover parcerias nacionais, regionais e globais, para fortalecer as medidas de controle e minimizar o impacto dessa doença complexa e desafiadora.

A iniciativa global baseia-se nos esforços regionais anteriores e segue as recomendações de especialistas em PSA de todo o mundo, disseram a OIE-FAO. O objetivo é fortalecer a capacidade dos serviços veterinários nacionais de gerenciar riscos por meio do desenvolvimento e implementação de programas nacionais de controle da PSA, com os setores público e privado trabalhando em parceria. A comunicação de risco com as partes interessadas relevantes será um elemento crucial para abordar efetivamente caminhos de risco e práticas de alto risco.

Em escala global, a disseminação sustentada da PSArepresenta uma ameaça à segurança alimentar, ao desenvolvimento econômico e rural, disseram a OIE e a FAO, explicando que a doença representa uma barreira para o setor agrícola atingir seu pleno potencial, gerando emprego e aliviando a pobreza. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink