ONS reduz projeção de carga de energia em agosto e passa a ver estabilidade
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,676 (-0,11%)
| Dólar (compra) R$ 5,47 (1,26%)

Imagem: Pixabay

PROJEÇÃO

ONS reduz projeção de carga de energia em agosto e passa a ver estabilidade

Em maio, houve queda de 10% na carga de energia, enquanto em junho o recuou foi de 3,4% na comparação anual
Por:
22 acessos

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) reduziu nesta sexta-feira projeções para a demanda por energia em agosto, apesar do gradual relaxamento de medidas de isolamento adotadas no país contra o coronavírus, e passou a esperar estabilidade, com leve alta de 0,1% na comparação anual, segundo relatório.

Na semana anterior, o órgão do setor de energia previa um aumento de 1,3% na carga de energia, que representa a soma do consumo com as perdas na rede, com a maior recuperação percentual esperada no Nordeste, de 2,5%.

As novas projeções, no entanto, apontam para redução de 1,8% na carga no Nordeste em comparação anual. No Sul, a estimativa também foi revertida para retração de 2,3%, contra alta de 0,9% na semana anterior.

No Sudeste, polo econômico e industrial do Brasil, o ONS projeta avanço de 1% na carga frente a agosto passado, enquanto o maior aumento seria no Norte, com 2,3%.

Os números representam corte na previsão para o Sudeste, onde a alta esperada antes era de 1,3%, e aumento para o Norte, que tinha antes expectativa de queda de 0,2%.

A estabilidade projetada vem após uma forte retração do consumo de energia desde o final de março, em meio a quarentenas adotadas em Estados e municípios para tentar conter a disseminação do coronavírus.

A demanda por energia desabou 12% em abril, primeiro mês impactado pelas medidas de isolamento, com diversas empresas colocando funcionários em trabalho remoto e indústrias reduzindo atividades em meio à desaceleração da economia.

Em maio, houve queda de 10% na carga de energia, enquanto em junho o recuou foi de 3,4% na comparação anual. O ONS ainda não divulgou dados consolidados sobre julho.

CHUVAS
As chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de geração do Brasil, devem atingir 73% da média histórica em agosto no Sudeste, que concentra os principais reservatórios, segundo o boletim do ONS, com estabilidade frente à projeção anterior.

No Nordeste, segunda região em capacidade de armazenamento, as precipitações devem atingir 67% da média, ante 66% estimados na semana passada.

No Sul, que atravessou uma seca recente, a previsão foi reduzida para 56%, de 70% anteriormente.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink