Opinião: Oportunidades para o Brasil Orgânico e Sustentável vender mais
CI
Agronegócio

Opinião: Oportunidades para o Brasil Orgânico e Sustentável vender mais

O evento da Rio + 20 dará oportunidade de apresentar a imagem do setor de orgânicos tanto nas ações em território nacional
Por:
Por *Ming Liu
 
O evento da Rio + 20 dará oportunidade de apresentar a imagem do setor de orgânicos tanto nas ações em território nacional, como no mercado internacional. Em 2004, o Instituto de Promoção do Desenvolvimento, estabelecido em Curitiba-PR, juntamente com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - órgão do MDIC), realiza um programa setorial de promoção comercial internacional através do Projeto Organics Brasil (www.organicsbrasil.org).
 
Este projeto objetiva construir a imagem dos produtos orgânicos do Brasil no mercado global, utilizando os valores da biodiversidade do país, a cultura de suas comunidades, as empresas e seus produtos orgânicos no mercado internacional.
 
Percebemos que o papel dos Ministérios (Meio Ambiente, Agricultura, Relações Exteriores, Turismo, Desenvolvimento Social), outras instituições como o SEBRAE (Projeto Copa 2014), a Itaipu Binacional (Projeto Água Boa) e IPD adotaram, em suas estratégias, programas que acabam se tornando não apenas exemplos de ações estratégicas para o desenvolvimento social, mas as referências internacionais quando o tema envolve sustentabilidade e produtos orgânicos.
 
Outra iniciativa que podemos citar é do Ministério do Meio Ambiente, em conjunto com o Ministério do Turismo e do MDA, com a realização do Proecotur e do Talentos do Brasil Rural, com integração da produção local com atividades de ecoturismo local retratando atividades e produtos que são imagens dos biomas onde estão localizados.
 
Este processo gera uma interação institucional do setor produtivo, em conjunto com os municípios, estados e programas do governo federal, porém verificamos que o maior potencial está em desenvolver uma ação focada nos grandes eventos que estão por se realizar, como: a Copa em 2014 e Olimpíadas em 2016, quando a exposição mundial poderá contribuir com a construção da imagem positiva de um país sustentável, com imagem voltada para energias limpas, construção sustentável, país do futebol e carnaval, mas com economia verde na sua essência.
 
Pelo MDA, em conjunto com outros parceiros institucionais, foi desenvolvido num programa nacional voltado para a promoção dos produtos oriundos da sociobiodiversidade, onde ao longo de seu desenvolvimento foi integrado a outras ações de âmbito federais como o PAA - Plano de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar com o propósito de trazer produtos de comunidades locais, povos indígenas, quilombolas e pescadores artesanais para a mesa do consumidor.
 
Outros programas que acabaram sendo integrados ou executados de forma complementar foram o PRONAF (de fomento a agricultura familiar), a Política de Garantia de Preços Mínimos, o Programa de Apoio a Comercialização de Produtos Extrativistas – PAE, enfim, tantos outros programas federais com foco nos produtos da sociobiodiversidade.
 
Nesta realidade não podemos deixar de citar fatores limitantes e que também será debatido durante e pós Rio + 20, que diz respeito à falta de regularização fundiária em grandes porções do território, particularmente na Região Norte, impedindo o avanço de projetos sustentáveis. Sem a propriedade regularizada ou sem o território demarcado – caso de Reservas Extrativistas- as famílias não têm acesso aos programas federais e crédito e tampouco conseguem licenciar os projetos produtivos.
 
Desenvolver projetos que tratem da biodiversidade de nossos territórios é sem dúvida, um fator que contribui a nosso favor e sob ponto de vista social e institucional.
 
Cabe a nós nesta oportunidade não deixar passar o nosso dever de nos prepararmos não somente para a Rio + 20, não somente para o mercado externo como estratégia comercial, e não somente para sermos uma vitrine, mas nos prepararmos para o futuro com os megaeventos, quando teremos intensa exposição internacional como a própria Rio +20, a Copa 2014 e as Olimpíadas 2016.
 
*Ming Liu é coordenador executivo do Projeto Organics Brasil

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink