Os adjuvantes não são milagrosos
CI
Imagem: Pixabay
OPINIÃO DE ESPECIALISTAS

Os adjuvantes não são milagrosos

Cada um tem sua própria especificação
Por: -Leonardo Gottems

Os adjuvantes possuem diferenças bastante específicas, ao contrário do que muitas pessoas pensam. De acordo com o Engenheiro Agrônomo e coordenador de marketing na DVA Brasil, Bruno Francischelli, e a Engenheira Química e Global Head of R&D Agro na DVA Global, Natália Gonçalves, é preciso desmistificar a ideia de que eles são milagrosos.

“Hoje na agricultura brasileira a grande maioria das aplicações são feitas com adjuvantes que nem se quer conhecemos suas reais funções na aplicação, normalmente são escolhidos apenas pelo custo ou pela parceria comercial. Vemos no campo que esse problema tem levado inclusive a perda de performance de alguns defensivos, já até nos deparamos diversas vezes com adjuvantes degradando ingredientes ativos e interferindo negativamente na aplicação. Mas fica difícil para o agricultor ter esse tipo de observação e avaliação mais profunda no campo”, indicam.

Por exemplo, eles citam a aplicação de fungicidas sistêmicos e protetores em uma mesma calda e que possuem aspecto agronômico completamente diferentes. “O fungicida sistêmico precisa ser absorvido e translocado na folha, enquanto o fungicida protetor precisa se espalhar e permanecer na superfície da folha cumprindo seu papel. Então, eu pergunto aos leitores, vocês acreditam que o mesmo adjuvante pode ter essas duas funções a um nível excepcional? Sabemos também que a aplicação da maioria dos fungicidas protetores também é bastante problemática no que diz respeito a mistura de tanque e pulverização”, dizem.

“Porém, algumas marcas passaram a se preocupar com esse cenário. É o caso da DVA Agro no Brasil, que tem como objetivo mudar essa mentalidade de adjuvantes multifuncionais e “milagrosos”, onde todos parecem ser iguais. Estamos focados na aproximação com a realidade do campo, conhecer a necessidade real de cada aplicação e então, fazer recomendações para que o agricultor tenha realmente a resposta esperada e potencializada de cada defensivo utilizado”, concluem.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.