PAC Embrapa investe em infraestrutura de pesquisa e tecnologias para cana

Agronegócio

PAC Embrapa investe em infraestrutura de pesquisa e tecnologias para cana

UEP terá todo o seu fluxo de trabalho reorganizado e otimizado
Por:
1312 acessos
Investimentos feitos pelo Plano de Fortalecimento e Crescimento da Embrapa (PAC Embrapa) estão promovendo melhorias na infraestrutura da Unidade de Execução de Pesquisas (UEP) em Rio Largo (AL) da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Recursos foram investidos também em projetos de pesquisa que já trazem resultados para o setor produtivo da cana-de-açúcar em Alagoas e outras partes do Nordeste.

A obra de estruturação ampla da UEP-Rio Largo já está na fase final, e vai abrigar laboratórios multifuncionais onde serão instalados novos equipamentos comprados com recursos do PAC Embrapa. O espaço, que fica dentro do Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) tem mais de 500 m², com 26 ambientes e salas para seis pesquisadores , vai atender a diversas atividades de pesquisa. Foram investidos R$ 640 mil.

Com a nova estrutura pronta, a UEP terá todo o seu fluxo de trabalho reorganizado e otimizado. Até então as análises para pesquisas têm sido feitas nos laboratórios da Embrapa Tabuleiros Costeiros, em Aracaju, ou dentro da estrutura da UFAL, que é parceira da Unidade.

“Além disso, muitos dos nossos equipamentos de laboratório ficam mantidos dentro das dependências da UFAL. A partir do momento em que tivermos uma estrutura própria adequada, nossos projetos terão onde ser analisados”, afirmou o pesquisador Paulo Albuquerque, coordenador substituto da UEP-Rio Largo.

Segundo Paulo, um bom volume de recursos foi investido para a compra de equipamentos que vão otimizar as condições de trabalho de todos que atuam nos laboratórios. “O prédio foi todo projetado com base em consultas aos pesquisadores, e buscamos adequar toda a estrutura aos procedimentos de pesquisa e dentro dos protocolos e da legislação. E isso influenciará positivamente os resultados do nosso trabalho”, concluiu.

Pesquisas

Com investimentos do PAC Embrapa, o projeto em rede ‘Produção Sustentável da Cultura da Cana-de-açúcar para Bioenergia em Regiões Tradicionais e de Expansão no Nordeste e Norte do Brasil’ trouxe resultados importantes para o setor sucralcooleiro de Alagoas e outros estados.

Liderado pelo pesquisador Antônio Santiago, coordenador da UEP-Rio Largo, o projeto concentra investimentos em pesquisa da ordem de R$ 4 milhões, envolve sete Unidades Descentralizadas da Embrapa e tem a parceria de órgãos federais estaduais, além universidades de todas as regiões e centros de pesquisa nacionais e internacionais. Iniciado há quatro anos, o ciclo do projeto se completou no final de 2010.

Diversas tecnologias foram viabilizadas para aplicação na cultura da cana, desde técnicas de irrigação, controle biológico de pragas e fixação de nutrientes até adubação por compostagem orgânica. Os estudos foram desenvolvidos em parceria com diversas usinas da região. Os resultados das pesquisas são introduzidos na produção e já rendem bons resultados.

Com a introdução de técnicas de compostagem orgânica, a cooperativa Pindorama, que produz açúcar e alimentos à base de frutas em Coruripe, no litoral alagoano, tem obtido bons resultados de produtividade e economia de insumos.

“A utilização da compostagem, além de baratear sensivelmente os custos da adubação, gera uma série de benefícios, como a maior longevidade da cana e da fruta, a retenção da umidade e os benefícios nutricionais. A parceria da Embrapa com a Pindorama tem sido fundamental para elevar nossa produtividade. Utilizando bagaço e vinhaça reaproveitados, chegamos à marca de quase 5 mil toneladas por ano de composto produzido, e pretendemos aumentar”, revela o presidente da Pindorama, Klécio dos Santos.

Perto dali, na usina Coruripe, atividades do projeto viabilizaram técnicas de irrigação adaptadas às condições da região, além de adubação verde, fixação de nitrogênio e cálcio, pesquisas sobre a formação de matéria orgânica a partir das raízes de leguminosas e tempo de humificação. As tecnologias foram incorporadas ao sistema produtivo e os resultados já estão sendo percebidos.

“A atuação da Embrapa como nossa parceira em projetos de pesquisa foi muito importante porque há diversos tipos de pesquisas que não temos condições técnicas de executar. Temos sido beneficiados com os resultados de estudos sobre lâmina ideal e econômica, além da profundidade ideal da mangueira de gotejamento. A utilização da irrigação na cultura da cana-de-açúcar é algo muito no novo no Brasil e especialmente no Nordeste, então precisávamos de estudos que determinassem os melhores parâmetros para sua aplicação”, afirma o gerente de Irrigação da usina, Pedro Carnaúba.

Ele conta que a Coruripe já está no segundo ano de colheita com base nas tecnologias avaliadas e validadas pela Embrapa. “Tudo isso tem gerado diminuição de custos e aumento significativo da produtividade. No ciclo 2010/2011 estamos cultivando uma área de mil hectares para aplicação das tecnologias mais recentes geradas pelo projeto da Embrapa”, relata.

As informações são da assessoria de imprensa da Embrapa Tabuleiros Costeiros (Aracaju-SE).
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink