Painel discutiu uso de milho e sorgo na alimentação animal

Agronegócio

Painel discutiu uso de milho e sorgo na alimentação animal

O painel contou com três palestras técnicas na área, com mediação do pesquisador da Fepagro Diego Bitencourt de David.
Por:
3197 acessos

A utilização do milho e do sorgo na composição da ração animal de suínos, aves e ruminantes foi o tema abordado por painel realizado no 31º Congresso Nacional de Milho e Sorgo nesta terça-feira (27), em Bento Gonçalves. O painel contou com três palestras técnicas na área, com mediação do pesquisador da Fepagro Diego Bitencourt de David.

A primeira apresentação, do pesquisador da Embrapa Suínos e Aves Jorge Vitor Ludke, abordou o panorama da produção no Brasil, que é o quarto produtor mundial de suínos e o segundo na produção de frangos de corte. Com isso, a demanda por milho no país é alta, já que o grão compõe a maioria das rações animais, especialmente para estas duas espécies. “Cerca de 40% do custo de produção de aves e suínos vêm do milho”, destacou.

O pesquisador apresentou resultados de estudos sobre a melhor forma de oferecer o milho a estes animais, principalmente para os suínos, que apresentam sistema digestivo diferente das aves e não podem consumir o grão inteiro. “Podemos ter uma economia de 27 quilos de ração por suíno só mudando a granulometria do milho”, informou. Com o sorgo, a situação se repete: os grãos devem ser moídos em peneira para ser oferecidos a suínos, enquanto aves – tanto frangos de abate quanto poedeiras – podem comê-los inteiros. Por fim, Ludke frisou que o grande desafio atual é melhorar o sorgo especificamente para composição de ração dos suínos e aves, visando uma boa produção de carne.

O professor João Pedro Velho, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), falou sobre a utilização de silagem de milho e sorgo para a alimentação de ruminantes, principalmente na bovinocultura de leite. Ele frisou que a eficiência das pastagens é o principal problema do setor, por causa da concorrência com a soja, o que torna a silagem imprescindível para a alimentação dos animais. “Felizmente, os produtores estão aprendendo mais sobre silagem e como ela pode aumentar a produtividade de leite em confinamento ou semi-confinamento”, avaliou.

Dando continuidade ao tema, o professor Fabiano Alvim Barbosa, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apresentou resultados de um estudo que analisou a utilização de grãos de milho e sorgo na alimentação de bovinos em confinamento, em relação ao desempenho, características de carcaça e de carne. A utilização do grão de milho e da soja na composição da dieta desses animais, embora difundida, encarece os custos de produção da carne. “O objetivo é chegar a uma opção que mantenha margens de lucro interessantes no confinamento, que é um sistema caro”, explicou.

Por isso, a utilização do sorgo como fonte energética em dietas de bovinos de corte, em substituição parcial ou total aos grãos de milho, tem sido estudada. “O sorgo apresenta como vantagens o alto potencial de produção em regiões áridas, não apresenta competição com o consumo humano, menor custo de produção e valor de comercialização de 80% do preço do milho”, enumerou Fabiano.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink