Panaftosa envia em maio missão à Venezuela para auxiliar combate à doença

Febre Aftosa

Panaftosa envia em maio missão à Venezuela para auxiliar combate à doença

Brasil e países da América Latina apoiarão campanha maciça de vacinação em território venezuelano
Por:
32 acessos

O Centro Pan Americano de Febre (Panaftosa) vai enviar no próximo mês uma missão veterinária à Venezuela, para ajudar nas medidas de erradicação da febre aftosa e na estruturação do serviço veterinário do país. A decisão foi tomada pela Comissão para Luta contra a Febre Aftosa (Cosalfa), na sexta-feira (20), durante reunião da entidade que acontecia na Bolívia. E se deve ao reaparecimento de foco no território colombiano, mas a alegação é de que seriam animais contrabandeados da Venezuela.

De acordo com o representante brasileiro na Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Guilherme Marques, o Panaftosa também decidiu acompanhar de perto a situação sanitária da Colômbia, onde foram sacrificados os animais com aftosa no início deste mês. Haviam sido registrados outros quatro focos no ano passado.

Na reunião da Cosalfa o representante do governo venezuelano firmou o compromisso de receber e apoiar equipes do Centro Pan Americano. Há expectativa de disponibilizar 16 milhões de doses de vacina para cada campanha de imunização do rebanho venezuelano. A previsão é que o apoio ao país se estenda pelo menos por dois anos. “Não é simplesmente uma situação humanitária, mas de estratégica e de segurança na região. Existe um plano hemisférico de combate à doença”, disse o diretor.

Segundo Guilherme Marques “a Venezuela não dispõe de vacina suficiente para as campanhas, não tem estrutura necessária para desenvolver suas vigilâncias, mas está disposta a se equipar. Os venezuelanos têm um órgão oficial de defesa sanitária que é o Instituto Nacional de Saúde Agrícola Integral (Insai), têm legislação e bons veterinários que atuam nos escritórios. Então, não estamos começando do zero. Mas daremos apoio para a execução das medidas de combate à doença, trabalhando junto com o setor privado daquele país”.

O diretor não concorda com a simples doação de vacinas a qualquer país, sem que seja feito o acompanhamento da vacinação, o cadastramento de propriedades e com a estrutura necessária à estas ações. “É um projeto de anos que tem que ser desenvolvido nessa região com ênfase na vacinação e com conhecimento situacional da doença no campo”, explicou.

Decisão

Em relação à retirada da vacinação contra a aftosa no Brasil, Marques disse que representantes dos países da América do Sul, acompanham com atenção o processo, pois dos 350 milhões de animais de todo continente, 220 milhões estão no território brasileiro. “Os produtores brasileiros querem avançar nas metas estabelecidas e o estado do Paraná está se organizando para apresentar uma proposta formal ao Mapa, para acelerar o calendário. Para isso, o Paraná, bem como qualquer outro estado que decida e demonstre capacidade de antecipar a retirada da vacinação, receberá equipe do Mapa para avaliar se será possível a antecipação do cronograma”, alertou Marques.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink