Agronegócio

Paraná avança para retomar venda de carne para o Leste Europeu

Estado poderá sugerir locais para as visitas técnicas
Por:
971 acessos
Integrantes do Serviço de Fiscalização Veterinária e Fitossanitária da Federação da Rússia vão visitar o Paraná durante a próxima inspeção do órgão no Brasil, programada para novembro. A informação foi confirmada pelo secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, na 22ª Worldfood Moscow 2013, encerrada na última sexta-feira (20/09), na Rússia. 


No evento, ele deu continuidade às negociações para a retirada do embargo à carne paranaense por países que compõem a chamada União Aduaneira, integrada pela Rússia, Bielorússia e Cazaquistão. O tema já havia sido discutido pelo governador Beto Richa em maio de 2013, quando participou da reunião da Câmara de Comércio e Indústria da Federação da Rússia, em Moscou.

“A vinda de técnicos daqueles países nos próximos meses ao Paraná, para visitar e inspecionar instalações de produção e abate, é mais um importante passo para que possamos retomar as exportações para aquela região da Europa”, afirmou Ortigara. O Estado poderá sugerir locais para as visitas técnicas.

Na reunião com o diretor geral do Serviço de Fiscalização Veterinária e Fitossanitária da Federação da Rússia, Sergey Dankvert, ficou acertado que o Paraná agilizará o repasse de informações exigidas pela União Aduaneira. Entre elas, está a garantia da ausência de ractopamina (promotor de crescimento) na produção de suínos e bovinos. 

Para isso, o Estado vai propor um programa junto ao Serviço Federal de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Ministério da Agricultura e Pecuária. O presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Inácio Afonso Kroetz, explica que a iniciativa envolve o apoio de um laboratório oficial e a colaboração de produtores e exportadores. 


MERCADO - Em encontro com o diretor executivo da Associação dos Importadores e Processadores de Carne da Federação da Rússia, Sergey Yushin, foram abordados os desafios e as tendências do mercado das carnes de frango, suínos e bovinos entre o Brasil e a União Aduaneira para os próximos anos. 

De acordo com o executivo russo, o mercado de carne de frango não sofrerá grandes alterações no curto prazo. “A produção doméstica está crescendo 5% ao ano. O consumo também é crescente, mas num ritmo mais lento. É interessante estar atento às alterações que deverão acontecer no futuro próximo quanto à redistribuição das cotas de importação, cujo total é de 364 mil toneladas anuais”, disse o Ortigara. 

Ainda segundo os relatórios russos, o consumo de carne de suínos é estimado em 1,2 milhão de toneladas para 2013, o que representa um aumento de 11% sobre 2012. A cota de importação estipulada até 2020 é de 434 mil toneladas/ano, excluído miúdos de suínos, e a taxa de importação caiu de 25 % para 15% em 2013. “Temos nesse segmento um mercado em expansão e que poderemos também contribuir e aumentar significativamente as nossas exportações”, afirma o secretário. 

Quanto à produção de carne bovina, segundo Yushin, as expectativas não são nada boas. A produção vem caindo 6% ao ano, tanto em carne como no leite. O pouco retorno previsto com a atividade, conforme avaliações dos técnicos russos, não têm atraído produtores nem investidores para a bovinocultura. 


Para o executivo, fatores como clima, solo e vocação para a produção de bovinos são gargalos para a produção doméstica. Ele disse que, apesar das informações sobre extensas áreas existentes, elas não são exploradas para agricultura porque faltam de interessados. 

“A União Aduaneira continuará sendo um importante importador de carne bovina e o Brasil será um dos seus principais fornecedores pela simples razão de que outro fornecedor não está no mercado com quantidade, qualidade, constância e preço como o Brasil está”, disse Norberto Ortigara. 

Ainda segundo o secretário, o cenário está totalmente favorável para o Brasil neste item e, consequentemente, para o Paraná, “desde que sejam resolvidas definitivamente algumas questões de ordem sanitária”. 

AVANÇOS - Ortigara lembra que o Paraná vem realizando várias ações para melhorar o desempenho do setor de carnes. Ele cita que, além da criação da Adapar, o Estado tem um programa específico de pecuária de curta duração. Desenvolvida pela Emater, a iniciativa orienta os produtores a usar técnicas modernas, atuais e eficazes de manejo, reprodução e para sanidade dos animais.

Para o secretário da Agricultura, ficou claro nas reuniões que as relações entre Rússia e Paraná não se limitam apenas a exportar e importar carnes. “Há um forte comércio de insumos agrícolas russos para o Paraná e novas oportunidades de negócios devem surgir no futuro próximo” afirmou. 


Segundo ele, a Rússia, com seus 146 milhões de habitantes e sua crescente economia, depende de países como o Brasil, e de estados como o Paraná, para garantir o abastecimento com alimento seguro para sua população. “Na via contrária, o há insumos importantes que interessam igualmente a produção agropecuária do Paraná e do Brasil”, finalizou o secretário da Agricultura.

Também participou da viagem técnica à Rússia o representante da Federação da Agricultura do Estado Paraná (Faep), Ronei Volpi.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink