Agronegócio

Paraná é o segundo produtor de orgânicos

Estado tem 4 mil agricultores que trabalham na atividade produzindo 78 mil toneladas
Por: -Andréa Bertoldi
4 acessos

O Paraná já é o segundo produtor do País de produtos orgânicos e só perde para São Paulo. São 4 mil agricultores que trabalham com a atividade, que respondem pela produção de 78 mil toneladas e plantio de 11.530 hectares. As principais culturas são soja orgânica, cana-de-açúcar para fabricação de açúcar mascavo e cachaça orgânica, mandioca, frutas e hortaliças.

Nessa sexta-feira (01-12), durante a abertura do 2º Paraná Orgânico, o governador em exercício Orlando Pessuti reforçou a intenção do governo do Estado em fortalecer a agricultura orgânica no Paraná, como uma atividade rentável. O evento termina amanhã no Parque Newton Freire Maia em Pinhais e a previsão dos organizadores é receber cerca de 4 mil visitantes entre produtores rurais, estudantes e consumidores.

Um dos objetivos do Paraná Orgânico é atrair o público urbano para estimular o consumo responsável de alimentos sem produtos químicos ou agrotóxicos. O evento conta com palestras sobre orientações para o consumo de alimentos orgânicos. Amanhã acontece uma oficina de pipas para crianças.

O coordenador do evento, Airton Brisolla, destacou as atividades de campo que estão sendo desenvolvidas como a apresentação de variedades de milho e feijão, fruticultura e avicultura orgânicas, minhocultura, produção de mel e biocombustíveis, entre outras atividades. O Paraná Orgânico reúne 60 expositores entre produtores orgânicos de café, hortaliças, geléias, artesanato em fibra de bananeira, travesseiros aromáticos com ervas medicinais para vários sintomas como cólicas e insonia, entre outros produtos.

O produtor londrinense Sidney Galvão é um dos expositores da feira. Ele trabalha com morangos e hortaliças orgânicas em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Só de morangos, ele produz 15 toneladas por ano em conjunto com mais sete produtores da região. "A produção de orgânicos é mais trabalhosa mas o preço pago ao produtor é 30% maior. Tenho satisfação ao entregar um produto com o sabor original da planta", disse.

Um dos trabalhos que está sendo mostrado no evento é o solo cimento, ou seja, o uso de terra misturada com água e cimento. A composição pode ser utilizada para fazer pequenas construções nas propriedades rurais. "Este tipo de material reduz o custo da construção civil", disse a engenheira agrônoma do Centro Paranaense de Referência em Agroecologia, Simone Richter.

O Paraná Orgânico também mostra variedades de milho, feijão, mandioca, batata doce e trigo morisco além de apresentar o trabalho de manejo da fertilidade do solo realizado com pó de basalto, cinzas, húmus, composto orgânico e fosfato de rocha natural. Nos trabalhos de campo também está o composto biodinâmico que é formado de esterco, restos de roça de capim, de poda de pomares, entre outros componentes. Este material é misturado com palha e fica em fermentação durante 90 dias. Depois pode ser aplicado nas plantações para melhorar a qualidade e a textura do solo. Além disso, o composto biodinâmico tem hormônios de crescimento e antibióticos naturais que ajudam no desenvolvimento de diversas culturas.

Outro trabalho apresentado é a homeopatia utilizada na agricultura a partir da mistura de solo com álcool de cereais e usada para corrigir deficiências de fósforo, potássio e para a correção da acidez do solo.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink