Paraná enfrenta impasse no plantio da soja transgênica
CI
Agronegócio

Paraná enfrenta impasse no plantio da soja transgênica

No PR, safra da cultivar RR está liberada, mas utilização do glifosato foi proibida
Por:

A revogação da liminar que garantia o uso do glifosato no manejo da soja transgênica gerou uma situação controversa no Paraná. Na próxima safra, o plantio da soja Roundup Ready está liberado, mas a utilização do glifosato com princípio ativo do herbicida RR foi proibida pela Justiça. O glifosato poderá ser usado apenas no pré-plantio, assim como já é feito nas demais culturas. A aplicação do defensivo foi impedida porque o produto não tem registro na Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), embora tenha autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Estimativas indicam que na safra passada cerca de 45% da área plantada de soja no Estado tenha sido ocupada pela variedade transgênica. No total, foram cultivados 3.930 milhões de hectares. Há dois anos, quando o plantio da soja transgênica foi liberado, a utilização do glifosato foi garantida por força de liminar judicial em ação impetrada pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep) contra o governo do Estado. A Faep questionava a competência do governo para exigir cadastro estadual para uso de qualquer defensivo. No entanto, no entendimento do Tribunal de Justiça (TJ) a exigência é constitucional.

A Faep diz que já recorreu da decisão do TJ no Superior Tribunal de Justiça e que aguarda uma decisão já para o próximo mês. "O governo do Estado poderia ter bom senso e autorizar a utilização do glifosato roundup, o pedido de cadastramento está parado desde 2005. Eles (governo estadual) não querem liberar porque a soja transgênica deve ocupar 70% da área plantada nesta safra", comenta Carlos Augusto Albuquerque, assessor especial da diretoria da entidade.

De acordo com o coordenador de Agrotóxicos do Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas do Mapa, Luis Rangel, os produtos registrados pela União podem ser utilizados em todo o território nacional. Para obter o registro é preciso aprovação dos ministérios da Agricultura, Meio Ambiente e da Saúde.

Três produtos têm registro nacional para aplicação "pós emergente na cultura da soja geneticamente modificada". Dois são da Monsanto (também detentora da patente da soja RR) e um da Empresa Dow Agrosciences. No entanto, no Paraná há dois pedidos de registro somente da Monsanto. Um tramita desde 2005 e, o outro, foi impetrado no início deste mês. Segundo Rangel, a legislação prevê que os Estados façam restrições relativas às "peculiaridades técnicas" de cada região. A lei prevê a existência de um cadastro no Estado para que o produto seja comercializado legalmente. No Paraná, a implantação do cadastro estadual está previsto na lei 3.876/83.

No Estado, o glifosato roundup não conseguiu autorização do Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Segundo Vânia Zapia, engenheira agrônoma do IAP, a legislação estadual prevê que a Monsanto - empresa que solicitou o registro estadual - apresente o perfil toxicológico e ambiental do defensivo. Ainda foram pedidos laudos e estudos completos de toxicidade em organismos não alvos do produto, como animais superiores e o meio ambiente. Também devem ser apresentados estudos específicos do produto técnico (princípio ativo) e do formulado. A intenção é observar os contaminantes e as impurezas.

"O processo foi arquivado em agosto do ano passado porque a empresa (Monsanto) se recusou a apresentar estes estudos", afirma Vânia. Em nota, a Monsanto afirma que "tem cumprido, estritamente, a legislação aplicável, para fins de obter o cadastro do produto no Estado e tem a expectativa de que o Estado atenda os anseios do agricultor paranaense".

Para a engenheira agrônoma do IAP, o órgão tem que estar certo de que o ambiente irá suportar a introdução sistemática e contínua do produto. "Estudos indicaram que foram comercializados cerca de 28 milhões de litros de glifosato. A tendência é que a utilização aumente ainda mais devido ao aumento do plantio da soja transgênica, mas é papel do IAP cuidar do meio ambiente", afirma.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink