Paraná intensifica colheita de grãos


Agronegócio

Paraná intensifica colheita de grãos

Por:
73 acessos

Safra do feijão das águas está quase concluída enquanto os produtores começam a colher milho e soja.

O Paraná deve produzir mais de 18 milhões de toneladas de grãos na safra de verão 2002/2003. As estimativas são do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (SEAB) que já atualizou os números. O feijão é a cultura que se encontra em estágio mais avançado de colheita, já entrando em fase final. O milho e a soja estão em situação oposta, já que a colheita destas culturas está apenas começando.

Os agricultores parana-enses ocuparam 5,39 milhões de hectares de área com as três culturas na safra de verão. A soja, com 3,54 milhões de hectares, ocupou mais de 65% da área de grãos em 2002/2003. A expectativa é para uma produção de 10,53 milhões de toneladas em todo território estadual. Os técnicos do Deral estimam que 90% das lavouras estão em boas condições. A colheita já teve início no Oeste, mas atualmente 54% da cultura se encontra em fase de frutificação. Os trabalhos devem iniciar mesmo por volta de meados de fevereiro.

Apenas 5% da produção de milho paranaense foi colhida até o momento. Os produtores, que de uma forma geral optaram pela soja nesta safra, plantaram 1,44 milhão de hectares de milho, de onde devem ser colhidas 7,34 milhões de toneladas. Do restante das lavouras, 4% encontram-se na fase de desenvolvimento vegetativo; 21% em floração; 45% em frutificação e 29% na fase de maturação.

Até o momento 25% das lavouras de feijão foram colhidas. A cultura é, das três enfocadas, a de menor expressão quantitativa, com 410 mil hectares plantados e uma previsão de colheita entre 404 mil e 429 mil toneladas. A produção se concentra principalmente em pequenas propriedades, sendo uma das principais fontes de renda para muitos agricultores familiares.

Situação das culturas

O feijão deve apresentar uma quebra entre 15% e 20% nesta safra. No momento os produtores que ainda estão colhendo comemoram a maior incidência de sol, que colabora com a secagem dos grãos. Mas a cultura foi a que mais apresentou problemas em todo o ciclo. Nos últimos 10 dias, por exemplo, até sexta-feira, a quantidade de chuvas estava atrapalhando a colheita. Antes disso os produtores enfrentaram geadas, em setembro, excesso de chuvas e estiagem em diferentes fases.

De uma maneira geral, segundo o técnico Otmar Hubner, do Deral, as lavouras de milho apresentam-se com bom desenvolvimento. O clima tem sido favorável, com ocorrência de chuvas freqüentes e bem distribuídas em todo o estado. "Em janeiro houve uma intensificação das chuvas, trazendo excesso de umidade às lavouras, porém não há indicativo de quebra na safra", explicou. No caso da soja ainda restam 28% das lavouras em fase de floração e 3% em maturação.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink