Paraná mantém proibição aos transgênicos
CI
Agronegócio

Paraná mantém proibição aos transgênicos

Por:

O governo do Paraná não acatou pedido dos produtores de soja e vai manter a determinação de permitir que apenas grão convencional seja exportado pelo porto de Paranaguá. O Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar) reivindicava um índice de tolerância de 0,9% de transgenia, percentual aceito pela União Européia (UE).

"A decisão tem por objetivo evitar a contaminação das cargas. O porto não tem estrutura para isolar o escoamento dos grãos modificados e não vai correr o risco de comprometer contratos", afirma Ogarito Linhares, diretor técnico da Administração do Porto de Paranaguá e Antonina (APPA).

No ano passado, um terço das 11,6 milhões de toneladas de soja em grão exportadas saíram pelo terminal paranaense. O porto também lidera a movimentação de produtos do complexo (grão, farelo e óleo), com 38% das 35,6 milhões de toneladas escoadas pelo país para o exterior.

Custos maiores

Para Nelson Costa, assessor técnico do Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), a medida vai forçar a migração do escoamento da safra de soja de Paranaguá para outros portos, como Santos (SP), Itajaí e São Francisco do Sul (SC). "Isso vai encarecer os custos com frete. Somente para o porto do Rio Grande, o frete dobra em relação ao pago até Paranaguá", afirma Costa.

Segundo a APPA, o volume que Paranaguá pode perder para outros terminais é irrelevante. "A soja transgênica do Paraguai, por exemplo, representa menos de 1% da movimentação total. Os volumes serão compensados com o aumento do embarque de grão convencional", afirma Linhares.

Na avaliação da Ocepar, será impossível para o governo estadual trabalhar com índice zero de tolerância, já que os testes realizados para detectar produtos modificados apresentam margem de erro de 0,1% a 0,5%. "Já houve caso de exportador, com laudo negativo de transgenia na cooperativa que foi impedido de embarcar a carga porque o teste no porto deu positivo", afirma Nelson Costa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink