Agronegócio

Paraná não deve produzir etanol de milho

Por:
887 acessos
Com a criação de usinas voltadas para a produção de etanol de milho no Mato Grosso, a discussão sobre as fontes renováveis de energia voltou à tona. Mas, segundo o presidente da Alcopar, para o Paraná, não é viável transformar o milho em etanol, já que a produção de proteína animal é um mercado mais vantajoso economicamente em relação à produção do combustível. "Além disso, o etanol de milho não consegue competir com o da cana", observa.


Segundo ele, esse tipo de investimento só vale a pena em regiões onde há um excedente de produção e quando o preço da saca está baixo, como é a atual realidade do Mato Grosso que, além de tudo, possui um elevado custo para transportar o milho das fazendas até o porto. "Vejo a criação dessas usinas como uma oportunidade para os produtores daquele estado garantirem uma renda", completa.


Luiz Carlos Correia de Carvalho, presidente da Abag, destaca que tudo aquilo que favorecer a oferta de etanol será benéfico. Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a cada tonelada de milho são gerados entre 380 e 400 litros de etanol. Ainda de acordo com dados do Mapa, com uma tonelada de milho também é possível produzir 200 quilos de farelo para a produção de ração e outros 20 litros de óleo de milho.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink