Parceria entre PMGCA e Asplana leva novas variedades a pequenos produtores

Agronegócio

Parceria entre PMGCA e Asplana leva novas variedades a pequenos produtores

programa multiplicou as variedades na sementeira montada pela Associação em AL
Por:
1805 acessos
O Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar (PMGCA) em trabalho conjunto com a Associação dos Plantadores de Cana do Estado de Alagoas (Asplana) está levando as novas variedades de cana-de-açúcar a pequenos fornecedores do estado. As RBs lançadas no inicio de 2010, já estão mostrando excelentes resultados e ganhando espaço nas usinas alagoanas.

De acordo com o engenheiro agrônomo e pesquisador do PMGCA em Alagoas, Antônio Rosário, o programa multiplicou as variedades na sementeira montada pela Associação, instalada no povoado de Ipioca, em Maceió, e distribuiu de acordo com as particularidades de cada propriedade.

Dentre as variedades lançadas cinco se destacaram ao longo do ano, são elas as RB 951541, 98710, 99395, 931003 e a 931011. “Das cinco a 951541, 98710 e a 99395 estão atendendo melhor a necessidade dos fornecedores de cana. Essas apresentam resultado excelente para inicio de safra, entre os fornecedores que não tem irrigação e precisam moer cedo. São ricas em açúcar e o mais importante produz um caldo de qualidade”, destacou Rosário.

Com as novas variedades os resultados não devem demorar a chegar ao bolso do fornecedor. Com o fechamento de entrelinhas, uma cana com um perfilhamento bom, e que rende mais açúcar por hectare, o custo de produção, de cultivo de erva daninha e a utilização de herbicidas, vai cair.

Além desses resultados, os fornecedores pagos pelo Açúcar Total Recuperável (ATR) só terão o que comemorar. Com as cinco variedades mais exploradas em Alagoas a média de retirada é de 140 kg de ATR por tonelada de cana. “Isso representa 92 toneladas por hectare não utilizando irrigação. É um excelente resultado”, considerou.

O fornecedor que ainda não está trabalhando com as variedades do PMGCA, programa da Rede Interinstitucional de Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro (Ridesa), coordenado em Alagoas pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal), pode procurar o programa através da Asplana onde serão colhidas todas as informações sobre a propriedade, como é cultivada a cana-de-açúcar, para quem entrega, como é feito o transporte e outras questões. “Apesar das vantagens das variedades as condições do produtor devem ser analisada, só assim podemos garantir o desenvolvimento ideal”, reforçou.

As informações são de assessoria de imprensa.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink