Pesquisa destaca qualidade do vinho do "Novo Mundo"
CI
Imagem: Marcel Oliveira
BEBIDA

Pesquisa destaca qualidade do vinho do "Novo Mundo"

Talvez a melhor divisão deva ser simplesmente entre vinicultores estabelecidos e emergentes
Por: -Eliza Maliszewski

Durante décadas, a principal divisão no mundo do vinho foi entre o "Velho Mundo" dos vinhos europeus e o "Novo Mundo" da América do Norte, Austrália ND, Nova Zelândia, África do Sul e outros lugares. É necessário atualizar isso para a era moderna, em que as nações emergentes estão criando produtos para competir no mercado global com a velha vanguarda.

Na verdade, um trabalho publicado no International Journal of Economics and Business Research, sugere que devemos ter uma nova divisão, não entre o antigo e o novo, mas entre "desenvolvidos" e "emergentes", para que possamos descrever, analisar e definir vinhos com um Perspectiva do século 21, em vez de uma nascida do pensamento colonial da história.

Emiliano Villanueva, da Eastern Connecticut State University, em Willimantic, Connecticut, EUA, e Gustavo Ferro, da Universidad del CEMA em Buenos Aires, Argentina, destacam que, durante grande parte dos últimos dois milênios, o vinho foi um produto europeu. O expansionismo imperial europeu levou a uva aos cantos mais longínquos do globo, plantando vinhas e fabricando viticultores no chamado novo mundo. Em 2006, a produção das três nações produtoras de vinho em grande escala, França, Itália e Espanha, finalmente caiu para menos de 50% do mercado mundial. À medida que os produtores do novo mundo aumentavam sua participação no mercado e os novos produtores do velho mundo também faziam incursões. No entanto, as nações emergentes também cultivam uvas e produzem vinho há muitos anos, e sua participação no mercado também está aumentando.

A classificação antiga versus nova carrega consigo o preconceito do colonialismo europeu e, dada a globalização e o rápido desenvolvimento de muitas nações com tendência para o vinho, como Chile e Argentina, um novo sistema é necessário. Um novo sistema que ofereça uma demarcação entre a produção de vinho de países desenvolvidos e emergentes seria útil, mas talvez apenas por um curto período de tempo. A própria natureza dos países emergentes e em desenvolvimento é a mudança inexorável de suas fortunas e circunstâncias que, em última análise, os levarão a ser tão "desenvolvidos" quanto a noção de desenvolvido versus emergente pode ser. Além disso, com as mudanças climáticas, as nações mediterrâneas não são nem mesmo as únicas na Europa que produzem muito vinho, com a Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Holanda e Suécia ocupando seus lugares no mercado.

Não precisamos mais da divisão entre o velho e o novo mundo, mas a divisão proposta entre as nações desenvolvidas e emergentes será um tema transitório. Talvez a melhor divisão deva ser simplesmente entre vinicultores estabelecidos e emergentes. Mas mesmo assim, talvez se preocupar com o rótulo sempre tenha sido uma maneira ruim de escolher o vinho. O vinho deve ser escolhido pelas suas características e fundamentalmente se é bom ou mau.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.