Pesquisador aponta desafios do manejo de nematoides em raízes e tubérculos

Agronegócio

Pesquisador aponta desafios do manejo de nematoides em raízes e tubérculos

Congresso ocorre entre os dias 12 a 17
Por:
2097 acessos

Na 33ª edição do Congresso Brasileiro de Nematologia, que acontece de 12 a 17 de junho, em Petrolina-PE, o pesquisador Jadir Borges Pinheiro vai apresentar uma palestra sobre os desafios em relação à ocorrência e ao manejo de nematoides em hortaliças formadoras de raízes e tubérculos.

As hortaliças tuberosas são aquelas em que as partes comestíveis desenvolvem-se dentro do solo e, por isso, são mais prejudicadas por nematoides, por exemplo: tubérculos (batata e cará), rizomas (inhame), bulbos (cebola e alho) e raízes tuberosas (cenoura, beterraba, batata-doce, rabanete, mandioquinha-salsa).

Inserida em uma mesa-redonda sobre essas espécies de hortaliças, a fala do pesquisador vai pormenorizar, sob a ótica da Nematologia, os aspectos relacionados à produção de hortaliças no Brasil e as diferenças na adoção de tecnologia em virtude da diversidade regional e do perfil dos produtores rurais.

Mais de 60 espécies de hortaliças são hospedeiras de nematoides, mas as raízes e os tubérculos respondem pelo maior percentual de perdas, já que os danos ocasionados por esses parasitas ocorrem justamente na parte da planta que é comercializada. Em cenoura, por exemplo, um ataque severo de nematoides pode ocasionar 100% de perdas na lavoura, com raízes sem qualidade comercial.

Na palestra, Pinheiro também vai abordar os principais gêneros de nematoides importantes em hortaliças no Brasil - Meloidogyne, Pratylenchus, Ditylenchus, Rotylenchulus, Scutellonema e Helicotylenchus - e vai falar sobre a interação dessa praga com outros fitopatógenos de hortaliças como fungos e bactérias. "Um grande desafio para a área da pesquisa é disponibilizar no mercado cultivares com múltipla resistência, inclusive a espécies de nematoides que até então não infestavam cultivos de hortaliças", assinala o pesquisador.

Ele também vai apontar a importância de levantamentos sobre as raças dos nematoides, de produtos para controle biológico recomendados para hortaliças, de marcadores moleculares para agilidade nos programas de melhoramento genético e, principalmente, a necessidade de conscientizar produtores sobre os benefícios do manejo integrado e os cuidados para evitar a disseminação entre áreas agrícolas.

Com o tema "Nematologia do Litoral do Sertão: Avanços e Desafios", o congresso é promovido pela Sociedade Brasileira de Nematologia e conta com a organização da Embrapa Semiárido, Universidade Federal do Vale do São Francisco e Universidade Federal Rural de Pernambuco.

A praga e os danos

Nematoides são vermes de formato cilíndrico e parasitam espécies animais e vegetais. Eles apresentam tamanhos variáveis e podem ser encontrados em diferentes ambientes, seja terrestre ou aquático. No caso das hortaliças, os fitonematoides são microscópicos, vivem no solo e, por isso, causam danos às raízes das plantas. Por afetar a absorção e o transporte de nutrientes na planta, eles reduzem o vigor e a produção da lavoura e, em casos mais extremos, ocasionam a morte da planta. Assim, a presença de nematoides no solo pode causar grandes prejuízos às hortaliças e, indiretamente, ao agricultor, que terá seus lucros diminuídos em virtude da menor produtividade e da baixa qualidade das hortaliças colhidas.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink