Pesquisador apresenta na Suíça estudo sobre ferrugem da soja

Agronegócio

Pesquisador apresenta na Suíça estudo sobre ferrugem da soja

Os pesquisadores abordaram, entre outros, os a possibilidade do surgimento de resistência aos fungicidas hoje empregados na soja
Por:
25 acessos

O diretor executivo da Fundação Chapadão e pesquisador, Edson Borges, que atua na área de controle de doenças de soja, apresentou os resultados do estudo sobre a ferrugem da soja, em Basiléia, na Suíça, sede da empresa Syngenta. Segundo Edson, essa visita, além de significar uma oportunidade ímpar de divulgação da Fundação Chapadão, teve, também, o intuito de promover uma troca de idéias entre pesquisadores de diversas instituições de pesquisa do planeta, em torno do sério problema que é a ferrugem asiática.

“É grande a preocupação das grandes potências com essa doença, uma vez que o mundo não sobrevive sem a soja”, explica. Dela se retira o óleo essencial para produção de alimentos, farelo para fabricação de rações para aves, suínos e bovinos, e ainda por cima é considerada alimento funcional, importante para a saúde humana.

Na ocasião, Edson pôde conhecer o Dr. Jeremy Godwin, cientista renomado, que recebeu prêmio de honra ao mérito pela rainha da Inglaterra, por ter descoberto as Strobilurinas, grupo de fungicidas largamente usados não só na soja, como em outras culturas.

Foi muito discutido, entre os presentes nesse encontro proporcionado pela Syngenta, a questão da possibilidade do surgimento de resistência aos fungicidas hoje empregados na soja. Felizmente, por enquanto, não existe relato de resistência a nenhum deles. Porém, todo cuidado é pouco, pois não há perspectivas da produção de novas moléculas eficazes no controle da ferrugem da soja. "Temos que trabalhar da forma certa com as que estão à nossa disposição, a fim de reduzir o risco do surgimento de resistência do patógeno às mesmas" diz Edson. Para tanto, é fundamental a orientação do engenheiro agrônomo, em relação à dosagem a utilizar.

A Fundação Chapadão conta atualmente com três pesquisadores trabalhando em busca de melhores alternativas para o controle das pragas, doenças e plantas daninhas, em especial nas culturas da soja, milho e do algodão. Só nesta última safra, foram instalados mais de 50 experimentos nessa área de fitossanidade, resultados esses que são repassados aos produtores associados na forma de livreto e através de palestras.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink