Pirapó sedia encontro do Grupo Missioneiro da Pecuária Familiar

Agronegócio

Pirapó sedia encontro do Grupo Missioneiro da Pecuária Familiar

O próximo encontro do Grupo Missioneiro de Pecuária Familiar ficou agendado para o dia 02/12, em São Miguel das Missões
Por:
353 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Com a intensificação do trabalho de assistência técnica e social à pecuária familiar, a Emater/RS-Ascar organizou três grupos de técnicos e produtores, na região administrativa de Santa Rosa, a fim de atender a demandas e peculiaridades locais, em visitas às propriedades e atividades coletivas. Um destes grupos, o missioneiro, voltou a reunir-se no último dia 21/10, no município de Pirapó, e foi recepcionado na propriedade da família de Otto Petri Filho, localidade de Cerro dos Amaros. O próximo encontro do Grupo Missioneiro de Pecuária Familiar ficou agendado para o dia 02/12, em São Miguel das Missões.

O evento, organizado pelos extensionistas da Emater/RS-Ascar de Pirapó - Mara Leandra Ketzer, Tatiana Perius e Sérgio Luiz Sperotto - contou com a presença de técnicos e pecuaristas familiares dos municípios de Pirapó, Garruchos, São Nicolau, Dezesseis de Novembro, Santo Antônio das Missões, Bossoroca, São Luiz Gonzaga, São Miguel das Missões e Rolador, bem como do gerente regional adjunto da Emater/RS-Ascar, José Vanderlei Waschburger, dos assistentes técnicos regionais Ivar Kreutz, Lisete Maria Primaz, Vanessa Gnoatto e Jorge João Lunardi, e dos supervisores das microrregiões de São Luiz Gonzaga e Santo Ângelo, Joney Cristian Braun e Rubens Tesche. Também prestigiaram o encontro, o prefeito de Pirapó, Arno Augusto Werle, o secretário da Agricultura José Oto Klein, e o secretário da Saúde de Pirapó, Zilmar do Canto.

A propriedade anfitriã possui área total de 24 ha, sendo 5,27 ha de mata nativa, e conta com boa disponibilidade de água. No local a família dedica-se a diversas atividades, destacando-se como principal a pecuária de corte, para a qual são destinados 12,5 há, com rebanho de 21 vacas matrizes e seis novilhas da raça Brahman, um touro Hereford e 19 terneiros. A renda anual da propriedade provém 57% da produção de terneiros, que são comercializados no desmame, 25% da produção de leite, 13% da piscicultura e 5% de outros produtos diversos.

Durante a visita foi observada uma diversidade de atividades e de sistemas de produção e discutidos aspectos sobre a agrofloresta, com consórcio de cinamomos e bananeira; produção para autoconsumo em horta próxima à área de mata nativa; oferta de alimentação para os animais com disponibilidades de pastagens de capim aruana, jiggs e área de capim BRS Kurumi; e campo nativo com sistema silvipastoril, sendo os eucaliptos sobre camalhão de pedras, plantados há 40 anos, bem como campo nativo com preservação de espécies de árvores nativas, destacando-se exemplares de angico, guajuvira, cabreúva, louro, entre outras. Esta última área é utilizada para atividade leiteira, sendo que as sete vacas possuem alimentação exclusivamente a pasto. Na área de várzea, com cinco açudes, é desenvolvida a piscicultura.

O produtor Otto Petri Filho, ao falar sobre a propriedade, enfatizou a satisfação em relação ao cultivo do capim elefante BRS Kurumi desenvolvido pela Embrapa, que apresenta alto teor de proteína bruta, produção de massa e adaptação aos nossos solos e climas, é de fácil propagação e pode ser aproveitado para corte ou pastoreio direto. Este capim constitui a base de alimentação da carpa capim criada na propriedade. Além disso, uma área do BRS Kurumi é mantida como reserva alimentar para o gado no período de inverno, junto com a cana-de-açúcar. 

No almoço servido ao meio-dia, os visitantes puderam apreciar peixe frito produzido na propriedade. À tarde, houve explanação sobre os temas segurança alimentar e produção para autoconsumo, abordado pela assistente técnica regional (ATR) na área social, Vanessa Gnoatto, que destacou a produção de alimentos para autoconsumo e venda do excedente; bem viver na propriedade Rural, enfatizado pela ATR Social Lisete Maria Primaz, que fez referência aos cuidados com a organização da propriedade e o ajardinamento; e mineralização para bovinos, orientada pelo ATR da Emater/RS-Ascar, médico veterinário Jorge João Lunardi. Após, ocorreu debate e avaliação do encontro, onde os participantes destacaram a qualidade da produção de terneiros, e formas de viabilizar uma pequena propriedade. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink