Plantas estão virando transgênicas para sobreviver

DESCOBERTA

Plantas estão virando transgênicas para sobreviver

Gramíneas quebram regras da descendência comume “roubam” genes de seus vizinhos
Por: -Leonardo Gottems
436 acessos

Pesquisadores do Departamento de Ciências Animais e Vegetais da Universidade de Sheffield descobriram que as gramíneas estão quebrando as regras da descendência comum, onde os genes são passados de pais para filhos, já que elas “descobriram” que podem encurtar a evolução “roubando” genes de seus vizinhos. As descobertas sugerem que as ervas silvestres estão sendo geneticamente modificadas para obter uma vantagem competitiva. 

De acordo com Luke Dunning, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo, algumas plantas usam um processo de absorção de genes. "As ervas estão simplesmente roubando genes e tomando um atalho evolucionário. Eles estão agindo como uma esponja, absorvendo informações genéticas úteis de seus vizinhos para competir com seus parentes e sobreviver em habitats hostis sem gastar milhões de anos que geralmente são necessários para evoluir essas adaptações”, comenta. 

Os cientistas analisaram algumas das plantas mais importantes do ponto de vista econômico e ecológico da Terra, incluindo muitas das culturas mais cultivadas no mundo, como trigo, milho, arroz, cevada, sorgo e cana de açúcar. O artigo, publicado na revista  Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, explica como os cientistas sequenciaram e reuniram o genoma da erva  Alloteropsis semialata

Ao estudar o genoma da erva  Alloteropsis semialata , encontrada na África, Ásia e Austrália, os pesquisadores puderam compará-la com aproximadamente outras 150 ervas (incluindo arroz, milho, milho, cevada, bambu etc.). Eles identificaram genes em  Allotalopsis semialata  que foram adquiridos lateralmente, comparando a similaridade das sequências de DNA que compõem os genes.  

“A contrafação genes está fornecendo enormes benefícios para as plantas ajudando a se adaptarem a seu entorno e para sobreviver, e esta pesquisa mostra também que não se limita apenas a  Alloteropsis semialata,  uma vez detectado em uma ampla gama de outras espécies de pastagens. Essa pesquisa pode nos levar, como sociedade, a reconsiderar a maneira como vemos a tecnologia de modificação genética porque o pastoreio explorou naturalmente um processo similar”, conclui. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink