Plantas medicinais e fitoterápicos em debate no I Workshop de Nichos de Mercado Agroindustrial

Agronegócio

Plantas medicinais e fitoterápicos em debate no I Workshop de Nichos de Mercado Agroindustrial

Evento da Embrapa reúne representantes de cadeias produtivas esta semana
Por:
738 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
Uma das maiores biodiversidades encontra-se no Brasil, país que abriga cerca de 20% das espécies de plantas conhecidas no planeta, dados que apontam para reais oportunidades na exploração comercial de plantas portadoras de princípios ativos úteis à saúde humana. Mas a importação de produtos oriundos de plantas medicinais ainda é a principal realidade nacional. As razões para este cenário, o papel da pesquisa e as saídas encontradas pelo setor produtivo estarão em debate nos dias 23 e 24 de setembro no I Workshop de Nichos de Mercado Agroindustrial. O evento promovido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) será realizado no Centro de Convenções da Unicamp, em Campinas/SP.
 
“Cerca de 70% do mercado brasileiro de plantas medicinais é controlado por empresas transnacionais, situação que reflete o baixo nível de competitividade apresentado pela cadeia produtiva nacional. Mesmo assim o setor emprega mais de 100 mil pessoas”, aponta a pesquisadora Ana Paula Vaz, da Embrapa Produtos e Mercado, que promove o encontro.
 
Segundo informa, o Paraná é o maior estado produtor, com mais de 2,2 mil hectares cultivados com espécies de uso medicinal. Mas é o extrativismo que responde por 80% da produção dessas plantas, tendo como principais pólos: Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado e Pantanal.  O avanço na descoberta de novos princípios ativos em plantas e o crescente consumo e valorização de produtos naturais e hábitos saudáveis quando associados à diversidade biológica local tornam atraente o segmento, que atende à indústria farmacêutica e cosmética, entre outros usos.
 
No entanto, para a pesquisadora, a favorabilidade do cenário depende, em parte, da oferta de matéria prima de qualidade, obtida por meio de seleção e melhoramento genético de espécies e culturas, além de boas práticas agrícolas e de processamento que assegurariam o cultivo em escala comercial, avalia. A bióloga integra a equipe do Projeto Qualifito, criado em 2010 sob coordenação da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília/DF).
 
O Qualifito reúne especialistas de dez das 47 unidades de pesquisa e serviço da Empresa, e ainda conta com a parceria de outras instituições de ensino e pesquisa. Conforme consta da descrição do projeto, o objetivo geral da iniciativa é avaliar a identidade botânica, parâmetros químicos e agronômicos de quatro plantas medicinais - guaco, quebra-pedra (foto), aledrim-pimenta e picão preto - em cinco regiões do País para obtenção de material genético padronizado, visando à produção de matéria prima de qualidade, demandada pelo Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos do Sistema Único de Saúde (SUS).
 
Debate – As oportunidades e principais desafios do setor de plantas medicinais e o mercado de fitoterápicos vão ser discutidos no primeiro dia  (23/09) do  Workshop de Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial a partir do estudo de caso do Grupo Centroflora, sediado em São Paulo, onde desde 1957 atua no desenvolvimento e comercialização de extratos vegetais para os segmentos de cuidados pessoais, nutrição e saúde. O caso será apresentado por Raquel Popolo Silveira Capaz na tarde desta terça-feira.
 
O objetivo do evento, segundo os organizadores, é levar ao setor produtivo a oportunidade de, ao lado de representantes da pesquisa agropecuária e instituições públicas de fomento, debater temas relacionados à valorização de mercados específicos, que ao serem explorados podem conferir competitividade ao empreendedor e atender demandas da sociedade.
 
O Workshop focalizará também os segmentos de flores, plantas ornamentais, alimentos funcionais, bem como produtos da ovinocaprinocultura, hortaliças e, ainda, os orgânicos e a indústria têxtil, por meio do algodão naturalmente colorido. O Workshop conta com o apoio do Departamento de Transferência de Tecnologia (DTT) da Embrapa e da Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e o patrocínio de Agrocinco, Arysta, Banco do Brasil e Pepsico.
 
Entre os parceiros estão: as instituições Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Associação Brasileira de Santa Inês (ABSI), ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Desenvolvimento Agrário (MDA), Pró-reitoria de Pesquisa da Unicamp, e as empresas Caprilat, Cava Cordeiro, CentroFlora, Ceagesp, FarmPoint, Grupo Horta, Guaiuba Agropecuária, Ícone, Jasmine Alimentos, Natural Cotton Color, Ouro Fino, Produtos Yamaguishi e Scot Consultoria.
 
Serviço

Evento: I Workshop de Nichos de Mercado para o Setor Agroindustrial
Data: 23 e 24 de setembro de 2014
Horário: das 8h30 às 12h30 e das 14h às 18h
Local: Campinas/SP – Centro de Convenções da Unicamp Auditório 2
Endereço: Cidade Universitária Rua Elis Regina, 131 – Cidade Universitária – CEP: 13083-970 
Público Alvo: Produtores rurais, agricultores familiares, empresários e industriais do setor agrícola, distribuidores comerciais, representantes do setor de produção de sementes e mudas, pesquisadores, técnicos, estudantes, formadores de opinião da imprensa e do setor público.
Inscrições: Programação completa e inscrições no site  https://www.embrapa.br/workshopnichos2014/ e na abertura do evento.
Haverá emissão de certificados.
Valor da inscrição: R$150,00.
Estudante paga meia.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink