Plantio do trigo termina no Rio Grande do Sul

Agronegócio

Plantio do trigo termina no Rio Grande do Sul

Além disso, 2% da área já deveria estar em fase inicial de floração
Por:
1197 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Aproveitando o tempo favorável, os produtores de trigo gaúchos conseguiram finalizar o plantio nesta semana, segundo informações da Emater. Neste ano, devido aos problemas causados pelo clima, especialmente o excesso de chuvas, a semeadura aconteceu de forma mais lenta, atrasando a evolução da cultura. Se considerada a média dos últimos anos, cerca de 2% da área já deveria estar em fase inicial de floração, fato que não ocorre no momento.

O período foi favorável ao desenvolvimento da cultura nas áreas já plantadas, com os produtores intensificando a adubação em cobertura e o controle de ervas invasoras. Em alguns casos, as lavouras apresentam recuperação muito lenta, o que leva a prever a possibilidade de produtividades abaixo daquelas esperadas inicialmente. 

Áreas implantadas nos períodos de maior precipitação e com umidade do solo acima da recomendada para a semeadura apresentam aspecto visual amarelado, folhas finas e longas, pouco perfilhamento e incidência de doenças. Nos locais onde não foi respeitada a recomendação de rotação de culturas há uma maior incidência de doenças foliares. Já as lavouras formadas no final de junho e início de julho estão boas, germinaram normalmente e apresentam plantas em boas condições, beneficiadas pelo clima. 

Os preços do trigo tiveram fortes quedas nos últimos dias, devido ao alto estoque mundial, importações feitas dos Estados Unidos, câmbio enfraquecido e pela isenção da TEC de um milhão de toneladas para trigo importado de países fora do Mercosul, até o dia 15 de agosto de 2014. Esses fatores impactaram negativamente no mercado interno brasileiro. Na semana, o preço médio de saca de 60 quilos, pago ao produtor em âmbito estadual, ficou em R$ 28,33, uma redução de 0,46% em relação ao valor da semana passada. 

As lavouras de canola encontram-se, majoritariamente, nas fases de desenvolvimento e floração, recuperando-se do excesso de chuvas e das geadas ocorridas recentemente. As condições meteorológicas deste período são consideras muito boas para o seu desenvolvimento. O status sanitário e nutricional da cultura a campo é muito bom, não detectando, até o momento, presença de pragas e doenças fúngicas de relevância. O potencial produtivo, pelo aspecto geral das lavouras, permanece dentro das expectativas iniciais. 

As áreas de cevada formadas no início de junho já estão com os tratos culturais realizados. Assim, as aplicações de nitrogênio em cobertura e o controle das invasoras estão prontos e a cultura se encontra com bom padrão de lavouras, beneficiadas pelo retorno da luminosidade. As plantações semeadas no final de junho até os primeiros 10 dias de julho estão em início de crescimento, com boa densidade e desenvolvimento das plantas. Os aspectos fitossanitários e nutricionais das lavouras são normais, sem problemas aparentes de pragas e doenças fúngicas. 
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink