Política inflacionária brasileira afeta preço global do açúcar
CI
Agronegócio

Política inflacionária brasileira afeta preço global do açúcar

Para consultor britânico, controle do preço da gasolina interfere artificialmente no mercado
Por:
Para consultor britânico, controle do preço da gasolina interfere artificialmente no mercado
A defasagem entre o preço da gasolina no Brasil e as cotações internacionais impactou os resultados da Petrobras e levou a companhia a registrar no segundo trimestre o maior prejuízo em 13 anos: R$ 1,3 bilhão. A política do governo de manter os preços internos da gasolina estagnados desde 2007 é um esforço para conter a inflação, mas está repercutindo para além do mercado de combustíveis.

O preço artificialmente baixo da gasolina brasileira está interferindo na formação dos preços internacionais do açúcar, alerta o economista britânico James Fry, fundador da consultoria em commodities LMC International.

Fry fez a afirmação em sua palestra no Congresso Brasileiro do Agronegócio, promovido nesta segunda-feira (6) em São Paulo pela Associação Brasileira de Agribusiness (Abag). Ex-professor da Universidade de Oxford, o consultor mostrou que o preço das commodities agrícolas passou a estar altamente vinculado ao do petróleo a partir de 2007, com o crescimento na adoção de biocombustíveis no mundo.

“No passado, era possível prever se os preços iam subir ou cair apenas olhando a tendência do estoque mundial, mas a partir de 2007 a faixa de preço desses produtos passou a ser determinada pelo preço do petróleo”, diz Fry. O nível de estoque passou, segundo o consultor, a definir apenas em que ponto dessa faixa definida pelo preço do petróleo estará o preço do óleo de palma, da soja e do milho, por exemplo.

A lógica é que, quando os óleos vegetais sobem muito de preço, o biodiesel feito a partir deles perde mercado para o diesel de petróleo, reduzindo a demanda e, consequentemente, os preços. O mesmo vale para quedas muito grandes dos preços agrícolas, descoladas do preço do petróleo: os óleos vegetais ficam mais competitivos que o petróleo e a demanda sobe, até que se encontre o equilíbrio. A mesma relação vale para o milho, que é a fonte de etanol dos Estados Unidos e maior substituto da gasolina.

A única exceção é o açúcar, apesar de a cana-de-açúcar ser proporcionalmente a mais usada para a produção de biocombustíveis. “O Brasil faz o preço mundial do açúcar, logo a política de preço da gasolina do Brasil define o preço do mercado global de açúcar”, explica Fry. Isso ocorre porque, no Brasil, a cana não muda de destinação naturalmente conforme os preços do mercado, conforme a competitividade do etanol em relação ao preço do petróleo. Ou seja, ao limitar o preço da gasolina, o Brasil limita também o preço internacional do açúcar, e não só o preço interno do etanol.

O preço da gasolina cria um teto fixo para o etanol. E diferentemente do preço do combustível fóssil, os custos de produção do biocombustível não ficaram estagnados nos últimos seis anos. “O que estamos fazendo é a desconstrução do futuro”, disse nessa terça-feira (7) o consultor Alexandre Mendonça de Barros, da MB Agro, na abertura do Congresso Brasileiro de Marketing Rural e Agronegócio, em São Paulo. “O etanol hidratado dá margem zero e o etanol anidro está uma porcaria”, critica ele.

Um ponto importante para entender a tese de Fry é que a demanda dos principais mercados de biodiesel (União Europeia e EUA) e de etanol (EUA) do mundo, a demanda por biocombustíveis oscila mensalmente. Lá, os distribuidores de combustível podem comprar mais ou menos biodiesel a cada mês para misturar no diesel, desde que, no final do ano, um determinado percentual de suas vendas seja de biodiesel. O mesmo vale para o etanol misturado à gasolina. No Brasil, a obrigatoriedade de mistura de biodiesel e etanol anidro aos combustíveis fósseis é fixa e todo o diesel e gasolina vendidos no País contêm o mesmo teor de biocombustíveis.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink