Por dentro da safra: veio o granizo, que jamais se espera
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,632 (-1,41%)
| Dólar (compra) R$ 5,51 (-1,34%)

Imagem: Marcel Oliveira

FUMICULTURA

Por dentro da safra: veio o granizo, que jamais se espera

Plantação de tabaco escapou da geada, mas acabou prejudicada pela chuva de pedras
Por:
398 acessos

Chegamos a essa semana em situação bem diferente do que ocorreu na semana passada. Na coluna anterior referi que havíamos feito a capina em parte da lavoura de tabaco, que estava em vias de completar um mês desde o transplante, e a previsão era de muito frio. A preocupação era com a possibilidade de neve ou, como se viu, de geadas fortes, e com os efeitos sobre as plantações. Não contávamos era com o granizo que veio na madrugada de terça para quarta-feira, 19, e que causou estragos no tabaco. Ele atingiu cerca de 60 mil pés dos 75 mil pés que cultivamos, eu e minha esposa e os meus pais.

Agora, não há outra coisa a fazer que não esperar e ver como as plantas reagem. As que tiveram só as folhas quebradas certamente vão se recuperar, ainda que o desenvolvimento delas seja retardado. No caso das que tiveram o miolo afetado, vamos ter de esperar que novos brotos surjam, para então selecionar o mais forte, que deixaremos crescer, e eliminar os demais. Dará bastante trabalho, envolvendo a mão de obra de nossa família, algo que não estava previsto, mas não tem jeito; terá de ser feito.

Depois do granizo, ainda a geada forte

O granizo atingiu todas as nossas culturas, não só o tabaco, mas foi neste que provocou mais estragos. Temos, claro, o seguro mútuo da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), que ao menos nos rendeu algum recurso, mas a gente conta sempre é com a receita da produção da safra. Entre as demais culturas, o granizo machucou também a plantação de batatinha, a Jahres Kartoffel, que plantamos todo ano no dia 24 de junho. As folhas ficaram com muitos furos. Mas na batatinha a geada forte, que aqui na propriedade veio na quinta e na sexta-feira, não causou problemas. No tabaco, será preciso esperar por alguns dias para verificar se a geada, depois do granizo, também afetou as folhas.

Tarefas não faltam na época atual

Depois do granizo e da geada, agora vamos ficar em compasso de espera para ver como as plantações reagem. Essa semana tende a ser de temperatura mais elevada, o que favorecerá a recuperação das culturas. No caso do tabaco, um mês após o transplante já não seria possível replantar. Primeiro porque nem mudas se tem mais, e depois porque elas ficariam muito desparelhas em relação ao resto da lavoura, tanto para a retirada das flores quanto para a colheita. Assim, nesta semana vamos agilizar outras tarefas que precisam ser realizadas: vamos plantar mais um pouco de feijão, capinar as cebolas e as hortaliças, começar a plantar a mandioca, e preparar o terreno para o plantio de batata-doce. Não se pode perder nenhum dia porque já vamos para o final de agosto; é época de fazer todos os plantios.

O campo é sempre o começo de tudo

Quando a agricultura é o que nos motiva, é nossa vocação, como é meu caso, a gente sempre vai em busca de novas técnicas ou tecnologias. Mas a semana passada mais uma vez nos mostrou que, no final de tudo, não importa em qual situação, quem comanda é o clima. A lavoura é uma atividade a céu aberto, e o clima pode fazer tudo mudar da noite para o dia. E o que acontece por aqui se reflete também na cidade. O meio rural é o começo de tudo: aqui se planta, e aqui se colhe. Mas, se não for plantado ou não puder ser colhido, faltará na cidade, nas mesas, e faltará até para a exportação.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink